Coisas Judaicas : Campanha BDS sofre revés na Alemanha
[ ]
Latest News Updates
Campanha BDS sofre revés na Alemanha
22/02/16 Posted by Coisas Judaicas

Campanha BDS sofre revés na Alemanha
O DAB Bank, sediado em Munique, vai cancelar a conta de um dos principais sites da campanha BDS, na Alemanha. 
A informação é do Jerusalém Post. O BDS - campanha Boicote, Desinvestimento, Sanções - website do grupo – listou o DAB Banco de Munique como a instituição financeira para transferências de moeda eletrônica. 


O Post descobriu a conta bancária no DAB para o site de campanha do BDS, cujo alvo é Israel. 

O Dr. Jürgen Eikenbusch, porta-voz do Banco DAB de Munique, escreveu a seguinte mensagem por e-mail: "Por causa do sigilo bancário [leis financeiras] não podemos fornecer-lhe informações concretas sobre a conta. Nós levamos a informação muito a sério e estamos analisando o tema e as providencias que serão tomadas, se necessário, e as medidas correspondentes. O DAB de Munique é a filial alemã do seu banco francês, o BNP Paribas.

A lei francesa proíbe a atividade do BDS contra o Estado judeu. Não está claro se a ação do BNP Paribas contra a conta de BDS está ligada a possíveis violações das leis anti-BDS ou anti-terroristas franceses.

O site do BDS promove uma "petição em apoio ao direito de pedir um boicote de produtos israelenses na França”. De acordo com a lei do banco alemão, o BDS terá 60 dias para fechar a sua conta e remover as informações do banco DAB a partir do seu site.

Uma vigorosa ativista anti-Israel, Doris Ghannam está listado no site da BDS como o titular da conta no DAB. Perguntada pelo Post, por telefone, sobre o fechamento de sua conta no DAB, ela insistiu que o jornal deveria enviar-lhe uma consulta escrita, mas se recusou a responder às perguntas, incluindo questões sobre a opinião do BDS, do Hezbollah e Hamas, que são designados pela União Europeia e Estados Unidos como organizações terroristas, e sobre os protestos apoiados pelo Irã na Alemanha.

Em 2014, o BNP Paribas se declarou culpado de acusações criminais por violar sanções contra a República Islâmica do Irã, Sudão e Cuba aplicadas pelos Estados Unidos.

O BNP Paribas pagou quase US$ 9 bilhões - uma sanção pecuniária recorde para um banco - ao governo dos Estados Unidos por causa de sua atividade ilícita.

O advogado de Manhattan, Preet Bharara, que desempenhou um papel-chave na repressão ao BNP Paribas, disse na época: "O BNPP financiou atos de terrorismo e jamais foi responsabilizado por isso, nem pelo apoio criminal a países e entidades envolvidas em outras atrocidades, mas isso é exatamente o que fizemos hoje“.

Campanha BDS sofre revés na Alemanha
Merkel e Obama - Coisas Judaicas

A chanceler alemã, Angela Merkel, e a União Europeia se opõem oficialmente ao BDS. Charlotte Knobloch, um sobrevivente do Holocausto, que lidera a comunidade judaica de Munique, disse ao Post em novembro, que “o BDS [Boicote, Desinvestimento e Sanções] é uma campanha disfarçada do socialmente inaceitável 'não compre de judeus!',  e é uma forma moderna de jargão nazista, exigindo 'Não comprar do Estado judeu".

O site do BDS promove e lista manifestações em frente às lojas de departamento e supermercados alemães contra produtos israelenses. Os críticos do BDS argumentam que o objetivo do movimento de boicote anti-Israel espelha os slogans nas manifestações no dia de al-Quds, direcionadas a para desmantelar o Estado judeu.

O site cita a chamada Palestina 2005 para boicotar Israel e seu objetivo é que milhões de palestinos voltem a Israel: "Respeitando, protegendo e promovendo o direito dos refugiados palestinos a voltarem para suas casas e propriedades".

Há uma crescente reação contra o BDS na Alemanha. O conselho da cidade de Bayreuth rescindiu os seus direitos ao prêmio tolerância dado ao BDS.

Em setembro, o Commerzbank, segundo maior banco da Alemanha, fechou uma conta do BDS ligada à demonstração no dia de al-Quds e marchas anuais em cidades alemãs pedindo a destruição de Israel. "O banco fechou a conta em setembro por causa das condições de negócios", disse um porta-voz do Post no mesmo mês.

O grande jornal de circulação diária de Berlim, o BZ, publicou um artigo do colunista popular Gunnar Schupelius intitulado, "Inimigos de Israel tem de recolher dinheiro através do Commerzbank”. O Centro Cultural, com financiamento público, Bürgerhaus Weserterrassen, na cidade do norte da Alemanha de Bremen, puxou o plugue no mês passado para uma palestra de uma ativista do BDS.
 

Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics