Coisas Judaicas : Bernie Sanders não gosta de falar sobre religião
[ ]
Latest News Updates
Bernie Sanders não gosta de falar sobre religião
26/02/16 Posted by Coisas Judaicas

Bernie Sanders não gosta de falar sobre religião
Por: Joseph Berger
Com família vítima do Holocausto, Bernie Sanders não gosta de falar sobre religião.
Quando o senador Bernie Sanders agradeceu a seus apoiadores pela vitória arrasadora na primária democrata em New Hampshire, ele relembrou com melancolia sua infância como "filho de um imigrante polonês que chegou a este país sem falar inglês e sem dinheiro".
Enquanto a multidão o ovacionava, o rabino Michael Paley, de Nova York, estava entre os muitos judeus que assistiram ao discurso e ficaram decepcionados. Ele se disse surpreso pelo fato de o senador por Vermont não ter descrito explicitamente seu pai como um "imigrante judeu polonês", uma distinção significativa diante da história ambígua da Polônia em relação a sua população judia.
"Ninguém na Polônia consideraria Bernie um polonês", disse Paley.
Dois dias depois, em um debate com Hillary Clinton, Sanders referiu-se à histórica candidatura de "uma pessoa com a minha origem", sem dizer abertamente que é judeu.
Isto levou a Agência Telegráfica Judaica, um serviço de notícias que abastece a imprensa judaica em todo o mundo, a avaliar, como disse sua manchete, que "as pessoas estão confusas sobre por que Bernie Sanders não assume seu judaísmo".
Sanders, segundo os que o conhecem, exemplifica um tipo diferente de identidade judaica, um ramo secular que tem pelo menos 150 anos e cujos adeptos nas comunidades da Europa Oriental e nas ruas movimentadas do Lower East Side em Manhattan eram socialistas, anarquistas, radicais e sindicalistas, menos interessados na observância religiosa do que na justiça econômica e na reparação de um mundo errado.
De fato, Sanders parece mais à vontade falando sobre o papa Francisco, cujas opiniões sobre a desigualdade de renda ele admira, do que sobre suas próprias crenças religiosas.
Paley, que trabalhou com judeus na região central de Vermont quando era capelão do Dartmouth College, lembrou que certa vez conversou com Sanders sobre os "judeus não judeus", termo cunhado pelo biógrafo de esquerda Isaac Deutscher para definir pessoas que expressam valores judaicos por meio da "solidariedade com os perseguidos".
Sanders pareceu reconhecer que a expressão o descrevia, segundo Paley.
Mas a imagem secular que Sanders projeta também está complicando o modo como os judeus norte-americanos veem a natureza histórica de sua candidatura.
Quando Joseph Lieberman, um judeu ortodoxo que se recusava a fazer campanha aos sábados [dia dedicado pelos judeus ao rito religioso], foi candidato a vice-presidente na chapa de Al Gore em 2000, muitos eleitores judeus consideraram isso um avanço.
Enquanto a surpreendente candidatura de Sanders a um cargo ainda mais importante provoca muitas emoções, o orgulho religioso geralmente não é a principal delas.
"Joe era um judeu praticante, Bernie é marginal", disse Morris Harary, um advogado que vive perto da casa da infância de Sanders no Brooklyn. Como personagem histórico, disse ele, Lieberman era "muito mais importante".
Quando menino e adolescente, no bairro de Midwood, no Brooklyn, nos anos 1940 e 1950, Sanders, que não quis dar entrevista para este artigo, não teve uma criação judaica normal.
Seu pai, Eli, que era vendedor de tintas para lojas de ferragens, frequentava a sinagoga praticamente só no Yom Kippur [Dia do Perdão], disse o irmão de Bernie, Larry Sanders, em uma entrevista na Inglaterra, onde ele é o porta-voz do Partido Verde para questões de saúde.
Sua mãe, Dorothy, era filha de um ativista sindical que zombava de sua própria educação judaica. A família não observava muito mais que as comemorações do Pessach [libertação dos judeus do Egito] com os vizinhos.
"Eles gostavam muito de ser judeus, mas não tinham uma crença forte em Deus", disse Larry Sanders.
Como muitas crianças naquela época, Bernie frequentou escolas públicas e teve aulas de hebraico e de religião aos domingos em uma sinagoga ortodoxa, o Centro Judaico Kingsway, no bairro de Midwood, e lá cumpriu o "bar mitzvah" [iniciação na vida adulta para meninos, aos 13 anos].
Depois de se formar na Universidade de Chicago, Sanders foi para Israel trabalhar em um "kibbutz" [comunidade agrícola] e acabou em Sha'ar Ha'amakim (Portal dos Vales), perto de Haifa. A motivação parecia tanto ideológica --o coletivo era afiliado ao movimento socialista Hashomer Hatzair-- quanto sionista.
Quando era prefeito de Burlington, em Vermont, Sanders foi solicitado em 1983 pelo rabino Yitzchok Raskin a acender um menorá [candelabro judaico] de 2,40 metros na escadaria da prefeitura. Ele não apenas concordou, como acendeu as velas pessoalmente. Raskin lembrou que, quando perguntou a Sanders se precisava de orientação, o prefeito disse "Eu conheço as bênçãos", e as recitou em hebraico.
Igualmente importante para a visão de mundo de Sanders foi o impacto do Holocausto sobre sua família. Três irmãos de seu pai --dois rapazes e uma moça-- foram assassinados pelos alemães, e outros parentes morreram.
Bernie Sanders sempre teve consciência, como disse certa vez, de que a nomeação de Hitler como chanceler da Alemanha em 1933 "acabou matando 50 milhões de pessoas em todo o mundo", entre elas 6 milhões de judeus. "Bernie aprendeu que a política é uma coisa muito séria", disse o irmão Larry.
Hoje, Bernie Sanders não frequenta regularmente uma sinagoga em Vermont ou em Washington, mas participa de rituais, como o "yahrzeit" --o aniversário da morte-- do pai de um amigo próximo, Richard Sugarman, que é professor de filosofia no departamento de religião da Universidade de Vermont.
Como senador, Sanders apoiou uma solução de dois Estados que garanta a Israel o direito de existir assim como o de uma pátria palestina, e colegas dele no Congresso dizem que sua opinião tende a refletir a esquerda israelense. Quando o Hamas disparou foguetes de Gaza contra cidades israelenses, ele condenou os ataques, mas também criticou Israel pelo que chamou de reação militar desproporcional.
Sanders apoiou o acordo do ano passado para o fim das sanções contra o Irã em troca da desmontagem da infraestrutura que, segundo os EUA, lhe daria a capacidade de fabricar bombas nucleares. Alguns membros judeus do Congresso, notadamente o senador Chuck Schumer, de Nova York, criticaram o acordo como insuficiente para conter o desenvolvimento nuclear do Irã e que, portanto, colocava Israel em risco.
Em outubro, Sanders foi indagado no programa "Jimmy Kimmel Live" sobre se acreditava em Deus. "O que minha espiritualidade representa é que estamos todos juntos nisto, e não é uma coisa boa acreditar que, como seres humanos, podemos dar as costas ao sofrimento de outras pessoas", respondeu ele. "Isso não é judaísmo. É o que o papa Francisco está falando, que não podemos adorar apenas bilionários e o fato de ganhar dinheiro."
Mas ele admitiu com humor seu passado judeu em um quadro do "Saturday Night Live", em que fez o papel de um imigrante que cruzava o oceano, chamado Bernie Sanderswitzky. "Vamos mudar o nome quando chegarmos à América, para que não pareça tão judeu", disse ele ao apresentador Larry David, com seu forte sotaque do Brooklyn. "É, vão enganar todo mundo", replicou David.
O rabino emérito Joshua Chasan, da sinagoga conservadora Ohavi Zedek, em Burlington, que conhece Sanders desde que foi prefeito da cidade, disse que o pré-candidato "não precisa usar seu judaísmo na manga, em Vermont ou em qualquer lugar, para ser judeu".
Tradutor: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics