Coisas Judaicas : A similaridade genética entre judeus
[ ]
Latest News Updates
A similaridade genética entre judeus
21/12/15 Posted by Coisas Judaicas

Coisas Judaicas
Estudos revelam similaridade genética entre judeus

Por NICHOLAS WADE
The New York Times
As comunidades judaicas na Europa e no Médio Oriente compartilham muitos genes herdados da população ancestral judaica que vivia no Oriente Médio há cerca de 3 mil anos atrás; embora cada comunidade também carregue genes de outras fontes - geralmente do país em que vive. 

Essa é a conclusão de dois novos estudos genéticos, os primeiros a utilizar o genoma inteiro de dispositivos de digitalização para comparar as comunidades judaicas de todo o mundo. 

A grande surpresa de ambas as pesquisas é a proximidade genética das duas comunidades judaicas da Europa: Asquenazitas e os Sefarditas. Os Ashkenazim prosperaram no Norte e da Europa Oriental até à sua destruição pelo regime nazista de Hitler, e agora vivem principalmente nos Estados Unidos e Israel. Os Sefarditas foram expulsos da Espanha em 1492 e de Portugal em 1497 e mudaram-se para o Império Otomano, o Norte de África e os Países Baixos. 

As duas pesquisas do genoma ampliam os estudos anteriores, baseados apenas no cromossomo Y, o elemento genético identificados em todos os homens. Os resultados contradizem a sugestão feita no ano passado pelo historiador Shlomo Sand, em seu livro "A Invenção do Povo judeu " de que os judeus não têm origem comum, mas são uma miscelânea de habitantes na Europa e na Ásia Central que se converteram ao judaísmo em diferentes épocas. 

As comunidades judaicas da Europa, Oriente Médio e do Cáucaso têm ascendência genética substancial que remonta ao Levante, mas já os judeus etíopes e comunidades judaicas na Índia são geneticamente mais próximas às suas populações de acolhimento. 

As pesquisas fornecem dados sobre a rica herança genética que são de grande interesse para historiadores. "Eu estou constantemente impressionado com a maneira pela qual os geneticistas avançam com novos projetos e, conseqüentemente, iluminam o que nós já sabemos da história ", disse Lawrence H. Schiffman, professor de Estudos Judaicos na Universidade de New York. 

Uma das pesquisas foi conduzida por Gil Atzmon do Albert Einstein College of Medicine e Harry Ostrer da New York University e foi publicada no Journal of Human Genetics dos EUA. Os outros estudos, liderados por Doron M. Behar do Campus da Universidade Rambam, em Haifa e Villems Richard, da Universidade de Tartu, na Estónia, foi publicado na edição da Nature. 

Os geneticistas Ostrer e Atzmon desenvolveram uma forma de calendário de eventos demográficos a partir de elementos genéticos compartilhados por diferentes comunidades judaicas. Seus cálculos revelam que os judeus iraquianos e iranianos foram separados de outros judeus cerca de 2.500 anos atrás. Esta descoberta genética presumivelmente reflete um acontecimento histórico, a destruição do Primeiro Templo de Jerusalém por Nabucodonosor em 587. Antes da era cristã e do exílio de inúmeros judeus para a capital da Babilônia. 
Os elementos comuns genéticos sugerem que os membros de qualquer comunidade judaica estão relacionados uns aos outros, tanto quanto são primos em 4º ou 5º grau em uma grande população, que é aproximadamente 10 vezes maior do que a relação entre duas pessoas escolhidas ao acaso nas ruas de New York, disse o Dr. Atzmon. 

Os Asquenazitas e Sefarditas possuem aproximadamente 30% de ascendência européia, com a maioria do resto do Oriente, revelaram as duas pesquisas. As duas comunidades são muito semelhantes entre si geneticamente, o que é inesperado porque elas foram separadas por tanto tempo. 

Uma explicação é que elas vêm da mesma população de origem judia na Europa. A equipe Atzmon-Ostrer descobriu que a assinatura genômica dos ashkenazim e Sefaradim é muito semelhante a dos judeus italianos, sugerindo a existência de uma população judaica antiga no norte da Itália, que casaram-se com italianos locais. 

Os Ashkenazim aparecem pela primeira vez no Norte da Europa em torno de 800 DC, mas os historiadores suspeitam que eles chegaram primeiro na Itália. Outra explicação, que pode complementar a primeira é que havia muito mais o intercâmbio cultural e casamentos do que o esperado entre as duas comunidades judaicas nos tempos medievais. 

A genética confirma uma tendência observada pelos historiadores: Houve mais contato entre os Ashkenazim e Sefaradim tendo a Itália como o eixo do intercâmbio, disse Aron Rodrigues, historiador da Universidade de Stanford. 
Um sobrenome comum entre os judeus italianos é Morpurgo, o que significa alguém de Marburg, na Alemanha. Além disso, o Dr. Rodrigues disse que é um dos nomes mais comuns entre os sefarditas, que no Império Otomano é Askenazi, indicando que muitos Ashkenazim se juntaram à comunidade Sefardita na região. 

Os dois estudos genéticos indicam que "pode haver origens comuns compartilhadas pelos dois grupos, mas que também houveram contatos e assentamentos", disse Dr. Rodrigues. 

O Hebraico pode ter servido como língua franca entre as comunidades Ashkenazi, falante de ídiche e o ladino, falado pelos Sefarditas (Portugal e Espanha). "Quando os judeus reuniram-se mutuamente, eles falavam o Hebraico”, disse Dr. Schiffman, referindo-se ao periodo medieval.

Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

1 Comentários:

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics