Coisas Judaicas : A escolha do nome judaico
[ ]
Latest News Updates
A escolha do nome judaico
06/12/15 Posted by Coisas Judaicas

A escolha do nome judaico
Nomes Judaicos

Nomes são mais que rótulos convenientes – atender pelo seu nome judaico é uma declaração de orgulho pelo seu legado. Os judeus no antigo Egito, diz a tradição, mantinham seus nomes judaicos. Essa é uma das maneiras pelas quais eles permaneceram um povo coeso e mereceram a redenção.

Há mais: seu nome judaico é o canal através do qual a vida chega a você vinda do Alto. Na verdade, os cabalistas dizem que quando os pais dão nome a um filho, eles passam por uma pequena profecia – porque-, de alguma forma, o destino daquela criança está envolvido na combinação das letras hebraicas que formam o seu nome.

Dar um nome na presença da Torá infunde o nome com bênçãos. Uma menina recebe seu nome durante a leitura da Torá na sinagoga, na primeira oportunidade logo após seu nascimento. O rabino ou leitor da Torá recita uma prece pela saúde da mãe e do filho, e o pai informa o nome que os pais escolheram. Como a Torá é a fonte de todas as coisas boas, conceder o nome na presença da Torá infunde o nome com bênção.

Um menino recebe seu nome no brit milá (circuncisão), quando entra no pacto de Avraham e se torna um membro completo da nação judaica.

Alguns detalhes:

Não recebeu um nome judaico? Convertido ao Judaísmo? Escolha um nome que combine com você. Muitas vezes, as pessoas escolhem um nome semelhante em som e/ou significado ao seu nome não-judaico.

Tradicionalmente, os judeus nomeiam seus filhos com nomes de parentes ou pessoas sagradas. Os sefaraditas às vezes escolhem o nome de um parente vivo; os asquenazitas de um ente querido já falecido.

Quando rezamos por alguém, temos em mente o nome judaico daquela pessoa e o nome de sua mãe. Porém quando chamamos um homem para uma aliyah da Torá, usamos seu nome judaico e o do seu pai.

Uma mudança no nome pode resultar numa mudança da sorte. É por isso que, às vezes, se alguém está gravemente doente, podemos dar-lhe um nome adicional.

Escolhendo o Nome Judaico

A importância de um nome judaico refere-se àquela parte de nós que verdadeiramente define a identidade judaica: a alma judaica. Um nome judaico é o seu chamado espiritual, um título que reflete seus traços particulares de caráter e os dons concedidos por D’us.

O fato de que o nome da pessoa representa sua força vital é insinuado pela palavra neshamá (alma), cujas duas letras intermediárias formam a palavra shem (nome). As letras do nome de uma pessoa são como o cano através do qual a vida é levada ao corpo. Portanto, a palavra shem, nome, tem o mesmo valor numérico que tzinor, cano.

Nomear um recém-nascido judeu é uma tarefa sagrada, parte do ciclo de vida da religião judaica. Um menino recebe o nome durante a cerimônia do brit milá, quando entra no pacto de Avraham Avinu; uma menina é nomeada logo após seu nascimento, na primeira oportunidade em que a Torá será lida. Seu pai então é chamado na Torá e nesta oportunidade anuncia seu nome judaico.

Ao escolher um nome para a criança recém-nascida, os pais passam em revista os nomes de seus entes queridos. Isso se baseia no preceito da Torá de que o nome do falecido não deve ser apagado de Israel. Ocasionalmente, uma criança recebe o nome de algum erudito de Torá, ou do maior tsadic da geração, cuja vida foi consagrada à Torá; ou então uma menina recebe o nome de mulheres sábias e grandiosas da Torá, cuja vida serviu como inspiração a todos.

Quando a criança recebe o nome de um parente falecido – segundo o costume askenazi – cumpre também a mitsvá de honrar pai e mãe. Esta mitsvá é obrigatória não somente durante a vida deles, como também depois de sua morte. É uma grande satisfação para a alma, e proporciona prazer às almas dos parentes falecidos, quando os descendentes recebem seus nomes.

A Cabalá afirma que os pais recebem inspiração Divina ao escolher um nome para seu filho. O nome é registrado como pertencendo para sempre a esta criança. É por este nome que o menino será chamado à Torá quando chegar a seu bar mitsvá, aos treze anos; quando chegar à vida adulta e ao casamento, seu nome aparecerá na ketubá; este nome é mencionado na prece E-l malei rachamim oferecida em benefício da alma após 120 anos. Assim, o nome judaico acompanha o judeu por toda a vida e em todas as ocasiões.

Classificação de Nomes Judaicos
Os nomes judaicos podem ser classificados em diferentes categorias:

1 – Nomes bíblicos – nomes mencionados nos Cinco Livros da Torá, nos Profetas, ou nas Sagradas Escrituras.

2 – Nomes talmúdicos – nomes originalmente encontrados no Talmud e Midrashim.

3 – Nomes encontrados na natureza – no mundo animal, alguns dos quais aparecem nas Escrituras, tais como Chava, Rachel, Devorah, Tziporah, Yonah, etc. Há também nomes do reino animal não mencionados nas Escrituras como nomes de pessoas, tais como Aryrh, Zev, Tzvi; tais nomes originaram-se com as bênçãos de Yaacov e Moshê, que aplicaram os nomes de diversas coisas vivas às tribos de Israel.

4 – Nomes encontrados na Natureza – no mundo vegetal, alguns dos quais aparecem nas Escrituras, como Tamar, etc. Outros nomes desse tipo são Shoshana, Alon, Oren, Oranah, Aviva, etc.

5 – Nomes que incluem o Nome de D’us dentro deles, e nomes que expressam agradecimentos a D’us.

6 – Nomes de Anjos, que foram adotados como nomes humanos:Gabriel, Rafael, etc.

7 – Nomes secundários, que ocorrem em conjunto com o nome principal, embora ocasionalmente estejam sozinhos.

Como Faço para Dar ou Receber Um Nome Hebraico?

1 – Além de sua escolha

Geralmente, seu nome hebraico é aplicado a você por ocasião de seu nascimento ou pouco depois, escolhido por seus pais, que o nomeiam em homenagem a um ente querido falecido, geralmente um antepassado (costume ashkenazi) ou a um ente querido, como avós, ainda vivos, como forma de homenageá-los (costume sefaradi). Ou, caso eles não tenham ninguém para homenagear, talvez você receba um nome hebraico da preferência deles. Portanto na verdade você não poderá escolher seu próprio nome, a menos que não tenha recebido um até a idade adulta.

2 – Por sua escolha

Se você não recebeu um nome hebraico até a idade adulta, ou seja, seus pais não lhe fizeram um brit (caso seja menino) ou não lhe deram um nome na primeira oportunidade em que foi lida a Torá logo após seu nascimento (se for menina), você pode selecionar qualquer nome hebraico normal que lhe agrade.

3 – Opções de conversão

Um terceiro nome hebraico alternativo é quando um não-judeu se converte ao Judaísmo. O convertido pode escolher qualquer nome hebraico, geralmente há escolha algo foneticamente semelhante ao nome existente: John talvez se torne Yonatan (hebraico para Jonathan), Mary pode se tornar Miriam.

Situações Especiais

Um menino que já nasceu circuncidado é nomeado no hatafas dam bris, na presença de um minyan. Caso não haja um quórum de dez homens, poderá ser nomeado na presença de dois.

Se uma criança nasceu, e é necessário rezar pela sua saúde, seu nome poderá ser dado imediatamente, para que possam rezar em seu nome. Costuma-se apenas dar o nome neste caso, sem no entanto torná-lo público até o brit milá.

Quando uma pessoa se encontra em situação de risco, como uma grave doença ou problemas de saúde, D’us não o permita, costuma-se acrescentar outro nome ao seu nome judaico original. Desta forma pode-se alterar seu mazal, sorte e destino, e rezar pelo seu pronto restabelecimento e cura.

Importância Vital

O nome pelo qual a pessoa é chamada é o recipiente que contém a força vital condensada inerente nas letras do nome. Como disse o Eterno aos Anjos: "A sabedoria de Adam é maior que a sua", pois ele entendeu a fonte suprema de cada ser criado, e segundo este Ele o chamou por seus nomes. Portanto, descobrimos que quando desejamos reviver alguém que desmaiou, chamamos seu nome. Ao chamar seu nome, despertamos a força vital em sua fonte, e atraímos vitalidade para o corpo. Similarmente, se alguém está adormecido, nós o chamamos por seu nome.

Ao falecer, quando a alma parte do corpo e chega perante a Corte Celestial, não lhe é perguntado: "Qual é seu nome hebraico" A pergunta feita é simplesmente: "Qual é seu nome?" Porque seu nome verdadeiro, sua essência, está contida em seu nome hebraico.

Atualmente, o maior problema para o povo judeu é a assimilação e a ignorância. Embora seja um grande problema, existem pequenas coisas que podemos fazer para lutar contra isso. Podemos assistir uma aula de Torá uma vez por semana ou por mês. Podemos celebrar o Shabat. E podemos usar nossos nomes hebraicos. Quando os usamos, lembramo-nos constantemente de quem somos, fortificando assim nossa identidade judaica e automaticamente lutamos contra a assimilação. Parafraseando Neil Armstrong, talvez seja um pequeno passo para um judeu, mas um salto gigante para o Judaísmo!

Devemos nos inspirar no exemplo fornecido por nosso povo na saída do Egito; não se assimilaram. Este fato deveu-se a três fatores fundamentais que fizeram questão de conservar: o modo de se vestirem, a língua (hebraico) e o nome (judaico). Quanto ao último, disseram nossos Sábios: (Bamidbar Rabah 20:22) "Nossos antepassados mereceram ser redimidos do Egito porque não mudaram seus nomes." Devido a estes cuidados tiveram o mérito de serem redimidos e conduzidos à outorga da Torá no Monte Sinai.

Que possamos através de nossas boas ações e utilização destas mesmas "vestimentas" que nos conectam à nossa essência, sermos merecedores de presenciar a recompensa neste mundo: uma época sem guerras, onde a paz verdadeira será restabelecida e o conhecimento de D’us transbordará no mundo inteiro. Enquanto aguardamos, continuaremos colocando nomes judaicos em nossos filhos e, nossos filhos em nossos netos.

Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics