Israel procura fortalecer a lei contra a poligamia
Ayelet Shaked - Coisas Judaicas
Serão tomadas medidas imediatas para aplicar a lei contra a poligamia, praticada principalmente por beduínos em Israel, anunciou a ministra da Justiça Ayelet Shaked e Conselheiro Jurídico Yehuda Weinstein. 

 "Vamos  agir em vários níveis para erradicar o fenômeno, que mina os fundamentos da lei e da ordem em uma sociedade esclarecida, e, muitas vezes prejudica as mulheres e crianças, que estão sujeitas à negligência e à pobreza", disse Shaked e Weinstein em um comunicado."Esta decisão foi uma consequência de uma série de discussões com profissionais e avaliação dos dados relevantes que se acumularam nos últimos anos sobre a extensão do fenômeno e suas conseqüências", acrescentou.

 Reforçar a figura penal será a principal medida utilizada. Até agora, é ilegal ter mais de um cônjuge em Israel, e os infratores condenados podem ser enviados para a prisão por até cinco anos. No entanto, a lei é raramente aplicada.

Weinstein disse que instruiu autoridades do governo para encontrar provas da poligamia e alertar a polícia.Ele acrescentou que serão tomadas medidas disciplinares contra os funcionários públicos que violam a lei contra a poligamia. As orientações também será enviado aos tribunais da Sharia no país, que julgam as questões de acordo com a lei islâmica. 

 Shaked disse que "a luta contra o fenômeno requer uma combinação de numerosas agências governamentais a cooperar com as autoridades civis, para preparar a serviços sociais, educação e informação pública". A ministra acrescentou que os benefícios e os incentivos dados pelos cidadãos infratores do governo devem ser suspensos. 

Representantes de organizações que defendem as mulheres árabes expressaram ceticismo sobre a eficácia provável da campanha."A poligamia já é ilegal, mas é difícil provar que um homem é casado com mais de uma mulher ", disse Safa Shehada, diretor do Ma'an - o Fórum de Mulheres Organizações árabes no Negev. Ela disse que a maneira de lutar contra a poligamia é através da educação. "Precisamos mudar as atitudes e percepções dos jovens de escolas, em cooperação com o Ministério da Educação. Sem isso, a poligamia não vai parar." 

Fiscal Rawia Aburabia da Associação pelos Direitos Civis em Israel concorda com Shehadeh, dizendo que as mulheres são impotentes e seus filhos são susceptíveis de serem afetados pelas sanções, por exemplo, se o seu cônjuge é a principal fonte de renda , está preso ou se o Estado suspende abonos de família. "Eu tenho muitas dúvidas sobre o anúncio da ministra da Justiça, considerando a sua posição sobre a população árabe e beduíno em particular", disse Aburabia. "Eu me pergunto como preocupada ela está com os  beduínos mulheres e seus filhos, e se isto não vem de uma perspectiva de segurança e do desejo de reduzir as taxas de natalidade." Ela acrescentou que, se Shaked realmente querem reduzir a poligamia ", ela deve se reunir com as mulheres e ouvir as suas opiniões e recomendações." 

 Acredita-se que 36% dos casamentos beduínos são polígamos. De acordo com um estudo realizado que há vários anos pelo Centro do Knesset Research, em 2004 houve 13 investigações em relações poligâmicas e 21 em 2005. Os delinquentes condenados foram sentenciados à prisão de serviço à comunidade ou termos de até 18 meses. Os representantes da polícia disse que a aplicação limitada da lei contra a poligamia derivado de "dificuldades para cumprir a lei e a percepção por parte de alguns agentes da lei que a poligamia é uma instituição aceita pesquisadores Knesset sociedade beduína e não deve ser combatido. "
Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Deixe seu comentário:

4 comments:

  1. Tá mal traduzido, mas dá pra entender.

    Acho que falta um pouco de análise da parte das autoridades, se a poligamia é praticada lá, é porque há uma necessidade, se não houvesse mais mulheres do que homens não haveria poligamia.

    A lei tem que se adequar a necessidade da população

    ResponderExcluir
  2. O retorno da lei judaica.
    O Dia do Senhor e a purificação de Jerusalém.

    Autor: Cláudio Ribeiro Melo.

    Os capítulos 2, 3 e 4 do livro de Isaías referem-se a fatos futuros, fatos que ainda não aconteceram sobre a nação de Israel.
    Israel passará por um período de paz duradoura, porém a nação abandonará novamente ao Senhor; Deus executará justiça e Jerusalém será purificada.

    No livro de Isaías, capítulo 4, versículo 1 encontramos uma profecia sobre o retorno da poligamia judaica.

    Naquele dia sete mulheres agarrarão um homem e lhe dirão: “Nós mesmas providenciaremos nossa comida e nossas roupas; apenas case-se conosco e livre-nos da vergonha de sermos solteiras!”

    O dia do Senhor e a purificação de Jerusalém.
    A nação de Israel após um extenso período de paz abandonará a Deus; O Senhor, chamado também de Renovo do Senhor, se manifestará em Israel e executará justiça purificando a nação.

    Naquele dia o Renovo do Senhor será belo e glorioso, e o fruto da terra será o orgulho e a glória dos sobreviventes de Israel.
    Os que forem deixados em Sião e ficarem em Jerusalém serão chamados santos: todos os inscritos para viverem em Jerusalém.

    Quando o Senhor tiver lavado a impureza das mulhe­res de Sião, e tiver limpado por meio de um espírito de julgamento e de um espírito de fogo o sangue derramado em Jerusalém, o Senhor criará sobre todo o monte Sião e sobre aqueles que se reunirem ali uma nuvem de dia e um clarão de fogo de noite. A glória tudo cobrirá e será um abrigo e sombra para o calor do dia, refúgio e esconderijo contra a tempestade e a chuva.

    Livro de Isaías capítulo 4,versículos 2 ao 6.

    Após a manifestação do Senhor para purificar Jerusalém, haverá uma atuação sobrenatural que ainda não ocorreu em Israel. Portanto os capítulos 2, 3 e 4 de Isaías são acontecimentos futuros.

    O Senhor criará sobre todo o monte Sião e sobre aqueles que se reunirem ali uma nuvem de dia e um clarão de fogo de noite.

    Livro de Isaías, capítulo 4,versículo 5.

    ResponderExcluir

  3. O retorno da lei da antiguidade judaica; a idade certa para a mulher se casar.
    Autor: Cláudio Ribeiro Melo.

    Atualmente, as nações que realizam casamentos de adolescentes e pré-adolescentes enfretam muitas críticas e combates dos países ocidentais.

    Javé é o Deus soberano.

    O que os países ocidentais não sabem ou esqueceram é que o casamento com adolescentes e pré-adolescentes era costume das sagradas sociedades cristãs e judias heterossexuais do passado.

    Nos tempos sagrados em que Jesus Cristo viveu, as mulheres se casavam logo após a puberdade, antes dos 15 anos de idade. Maria, mãe de Jesus Cristo, se casou aos 14 anos ou antes desta idade, em sua adolescência.

    O casamento com jovens donzelas era costume das sociedades judias do passado.

    O casamento com jovens donzelas também era costume das monarquias cristãs do passado.

    Catarina de Médicis, rainha da França, casou-se aos 14 anos de idade.

    Isabel de Aragão, rainha de Portugal, casou-se na pré-adolescencia. A rainha Isabel de Aragão passou à história como uma mulher rica em misericórdia para com os pobres; ela foi uma mulher que usou de caridade, doações, com muitas pessoas humildes em sua vida.

    Isabel de Aragão se casou aos 12 anos de idade.

    Carlota Joaquina, a rainha do Brasil, se casou aos 10 anos de idade.

    O Brasil enfrenta uma realidade em que as jovens estão se casando cada vez mais cedo, grávidas e sem apoio devido da sociedade.

    O Brasil também está mergulhado em prostituição infantil.

    Aprovar o casamento de adolescentes e pré-adolescentes no Brasil, com o consentimento da jovem esposa e dos pais, é uma forma de combater a prostituição infantil e é uma forma de trazer dignidade e respeito para as jovens donzelas que estão se casando de qualquer forma , grávidas.

    O governo brasileiro concede permissão para que as adolescentes e pré-adolescentes casem grávidas.

    O governo brasileiro deveria permitir que elas se casem virgens, com respeito e temor a Deus; semelhante a Maria, mãe de Jesus Cristo e semelhante às jovens rainhas do passado cristão. A sociedade antiga cristã e judia casava-se nesta faixa etária, bem jovem.

    É possível, no Brasil, se encontrar muitas moças grávidas aos 8 anos de idade.
    Elas estão iniciando a vida sexual cada vez mais cedo.
    Sem casamento ( união estável), as moças vão iniciar uma vida de sexo sem compromisso e vão se entregar à prostituição. Isso está acontecendo no Brasil, as jovens moças que não se casam estão iniciando uma vida de sexo sem compromisso e estão se tornando prostitutas antes mesmo da puberdade.
    Virgindade é uma virtude; casamento é sagrado, casamento é um ensinamento de Deus.
    Aisha, a princesa do Oriente, casou-se aos 6 anos de idade.
    Observando Aisha se torna possível chegar à idade dos casamentos da antiguidade.
    A nação israelita teve sua cultura modificada.
    O Oriente preservou elementos da antiga tradição judaica.
    Afinal, por que Israel, centro do mundo cristão e judeu, impõe obstáculos para a aprovação por lei da poligamia e do restante de sua própria legislação da antiguidade bíblica?

    A verdade é que Israel está sob domínio e influência de grupos políticos sodomitas. ( Existem os fiéis a Deus em Israel, pois o remanescente será salvo mas a nação está sob influência de grupos apóstatas.)

    As duas testemunhas lutarão em Israel contra a besta. Ao final de sua pregação serão mortas e seus corpos serão levados para a praça de Jerusalém.

    A Bíblia descreve Jerusalém, nesta época, como uma cidade dominada pelo pecado.

    E jazera o seu corpo morto na praça da grande cidade que, espiritualmente, se chama Sodoma e Egito, onde o seu Senhor também foi crucificado.

    Livro de Apocalipse, capítulo 11 , versículo 8.

    As profecias, apesar das dificuldades, revelam que a lei antiga de Javé retornará.





    ResponderExcluir

  4. O retorno da lei da antiguidade judaica; a idade certa para a mulher se casar.
    Autor: Cláudio Ribeiro Melo.

    Atualmente, as nações que realizam casamentos de adolescentes e pré-adolescentes enfretam muitas críticas e combates dos países ocidentais.

    Javé é o Deus soberano.

    O que os países ocidentais não sabem ou esqueceram é que o casamento com adolescentes e pré-adolescentes era costume das sagradas sociedades cristãs e judias heterossexuais do passado.

    Nos tempos sagrados em que Jesus Cristo viveu, as mulheres se casavam logo após a puberdade, antes dos 15 anos de idade. Maria, mãe de Jesus Cristo, se casou aos 14 anos ou antes desta idade, em sua adolescência.

    O casamento com jovens donzelas era costume das sociedades judias do passado.

    O casamento com jovens donzelas também era costume das monarquias cristãs do passado.

    Catarina de Médicis, rainha da França, casou-se aos 14 anos de idade.

    Isabel de Aragão, rainha de Portugal, casou-se na pré-adolescencia. A rainha Isabel de Aragão passou à história como uma mulher rica em misericórdia para com os pobres; ela foi uma mulher que usou de caridade, doações, com muitas pessoas humildes em sua vida.

    Isabel de Aragão se casou aos 12 anos de idade.

    Carlota Joaquina, a rainha do Brasil, se casou aos 10 anos de idade.

    O Brasil enfrenta uma realidade em que as jovens estão se casando cada vez mais cedo, grávidas e sem apoio devido da sociedade.

    O Brasil também está mergulhado em prostituição infantil.

    Aprovar o casamento de adolescentes e pré-adolescentes no Brasil, com o consentimento da jovem esposa e dos pais, é uma forma de combater a prostituição infantil e é uma forma de trazer dignidade e respeito para as jovens donzelas que estão se casando de qualquer forma , grávidas.

    O governo brasileiro concede permissão para que as adolescentes e pré-adolescentes casem grávidas.

    O governo brasileiro deveria permitir que elas se casem virgens, com respeito e temor a Deus; semelhante a Maria, mãe de Jesus Cristo e semelhante às jovens rainhas do passado cristão. A sociedade antiga cristã e judia casava-se nesta faixa etária, bem jovem.

    É possível, no Brasil, se encontrar muitas moças grávidas aos 8 anos de idade.
    Elas estão iniciando a vida sexual cada vez mais cedo.
    Sem casamento ( união estável), as moças vão iniciar uma vida de sexo sem compromisso e vão se entregar à prostituição. Isso está acontecendo no Brasil, as jovens moças que não se casam estão iniciando uma vida de sexo sem compromisso e estão se tornando prostitutas antes mesmo da puberdade.
    Virgindade é uma virtude; casamento é sagrado, casamento é um ensinamento de Deus.
    Aisha, a princesa do Oriente, casou-se aos 6 anos de idade.
    Observando Aisha se torna possível chegar à idade dos casamentos da antiguidade.
    A nação israelita teve sua cultura modificada.
    O Oriente preservou elementos da antiga tradição judaica.
    Afinal, por que Israel, centro do mundo cristão e judeu, impõe obstáculos para a aprovação por lei da poligamia e do restante de sua própria legislação da antiguidade bíblica?

    A verdade é que Israel está sob domínio e influência de grupos políticos sodomitas. ( Existem os fiéis a Deus em Israel, pois o remanescente será salvo mas a nação está sob influência de grupos apóstatas.)

    As duas testemunhas lutarão em Israel contra a besta. Ao final de sua pregação serão mortas e seus corpos serão levados para a praça de Jerusalém.

    A Bíblia descreve Jerusalém, nesta época, como uma cidade dominada pelo pecado.

    E jazera o seu corpo morto na praça da grande cidade que, espiritualmente, se chama Sodoma e Egito, onde o seu Senhor também foi crucificado.

    Livro de Apocalipse, capítulo 11 , versículo 8.

    As profecias, apesar das dificuldades, revelam que a lei antiga de Javé retornará.





    ResponderExcluir

Deixe sua opinião