Coisas Judaicas : Show em Israel: boicote ou assédio moral?
[ ]
Latest News Updates
Show em Israel: boicote ou assédio moral?
05/07/15 Posted by Coisas Judaicas

Show em Israel: boicote ou assédio moral?
Por Sheila Sacks

Desde que o músico inglês Roger Waters, ex-integrante do grupo Pink Floyd, tornou pública a carta enviada a Caetano Veloso e Gilberto Gil em que pede aos artistas para cancelarem o show em Tel Aviv, marcado para 28 de julho, um frisson sacudiu a mídia opinativa brasileira e as redes sociais, normalmente disponíveis para esse tipo de polêmica que envolve figuras conhecidas do show business.
A carta, escrita em maio logo após o anúncio da turnê dos brasileiros pela Europa e Israel, foi encaminhada aos músicos pelo movimento BDS, sigla para “boicote, desinvestimentos e sanções”, que desde 2005 faz campanha mundial contra Israel e é coordenado por um “Comitê Nacional Palestino” (BNC). 

Em 1 de junho, a “Folha de São Paulo” divulgou a carta de Waters que se utilizando de uma miscelânea de pontos de vista e estereótipos piegas sobre o Brasil, escreveu entre outras coisas, o seguinte: “ Eu tenho a praia de Ipanema nos olhos da minha mente”; “Eu tenho uma camiseta de futebol assinada: Para Roger, de seu fã Pelé”; “Eu amo o Brasil”.

Mas, a pressão sobre Caetano e Gil vem logo no parágrafo inicial: “Quando olho para as suas fotos, escuto as suas músicas, leio a histórias de suas lutas pessoais e profissionais, lembro de todas as lutas de todos os povos que resistiram”. Ao final do texto, mais coação: “Quando tudo isso acabar, nós iremos à Terra Santa, cantaremos nossas músicas de amor e solidariedade”.

Em 23 de junho, foi a vez de “O Globo” publicar a carta-resposta de Caetano Veloso a Waters, em que é nítido o constrangimento do artista para explicar a sua presença em Israel. “Eu cantei nos Estados Unidos durante o governo Bush e isso não significava que eu aprovasse a invasão do Iraque”, alega. Mais adiante, desculpa-se: “Charbel (o brasileiro integrante do BDS que entregou a carta de Waters) sabe quantos problemas de produção teríamos no caso de cancelamento de um show que já foi anunciado e completamente vendido”.

Em 30 de junho, Waters ataca novamente com outra missiva endereçada a Caetano e publicada pelo “O Globo” que estranhamente adota o refrão do BDS nos títulos de ambas as cartas: “Boicote a Israel”. No documento, o inglês faz uma convocação pública ao brasileiro para se integrar às fileiras do movimento, a saber: “Temo que você possa estar vendo a política israelense com lentes cor-de-rosa”; “mas se você quer realmente influenciar o governo israelense, você se unirá a nós na linha de piquete do BDS”; ”Eu imploro a você para não proceder com sua participação em Tel Aviv”; “Caetano, eu não conheço você, nunca nos encontramos pessoalmente, mas eu acredito que você tem boas intenções”. 

Como era de se esperar, algumas vozes com acesso à mídia e as redes sociais se pronunciaram por meio de artigos defendendo a apresentação dos artistas brasileiros em Israel. A série de explicações plausíveis apresentadas com o objetivo de aplacar a propaganda virulenta desencadeada por Waters ecoaram, mais uma vez, como vozes no meio do oceano, ouvidas apenas por aqueles que se encontram no mesmo barco.  
Para além do oceano, no mundo da terra firme, a história, a experiência, a realidade e o bom senso contidos nesses textos lamentavelmente soçobram diante do universo fluido e digitalizado da propaganda, dos slogans e dos ídolos populares, uma trinca que persevera imbatível na era globalizada. Lembrar que Israel é a única democracia da região e que importantes lideranças palestinas até hoje não reconhecem o estado de Israel, assim como o radicalismo islâmico exclui Israel de qualquer acordo pra valer e o colonialismo inglês oprimiu judeus e árabes no início do século 20, definitivamente, essas assertivas apesar de verdadeiras já não têm o peso histórico de décadas anteriores.

Mas, por outro ângulo, essa pressão do ex-líder do Pink Floyd sobre Caetano e Gil apresenta características semelhantes ao que se convencionou tipificar como assédio moral. Afinal, o músico inglês criou uma situação de constrangimento para o colega brasileiro que se sentiu na obrigação de justificar em carta a sua apresentação em Israel e reafirmar a sua posição a favor do estabelecimento de uma pátria palestina. Uma asserção que, involuntariamente ou não, já politizou um show que, na origem, não privilegiava esse aspecto.

Com a publicação da segunda carta, mais incisiva contra a apresentação do show, mostra-se patente a ação coercitiva de Waters sobre Caetano. Para a legislação brasileira o assédio moral é uma conduta abusiva, de natureza psicológica, que se manifesta por meio de gesto, palavra, escritos, capaz de provocar danos à personalidade ou imagem do assediado. No Rio de Janeiro, desde 2002 existe lei contra assédio moral relativa ao ambiente de trabalho. E Waters, Caetano e Gil têm no mundo dos espetáculos o seu ambiente de trabalho.

Também no Código Civil Brasileiro, o artigo 186 preceitua: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ilícito. Sem esquecer o artigo 5º, inciso X da Constituição Federal: São invioláveis a intimidade, vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.

Ao insistir para que Caetano e Gil cancelassem o show em Israel, fazendo crer que mantendo a apresentação eles se mostrariam, segundo palavras de Waters, “cúmplices de políticas racistas e ilegais”, o artista inglês extrapolou a barreira da sensatez, do respeito e da verdade, em um explícito abuso moral contra a dupla brasileira e ao próprio estado de Israel, alvo constante de ataques verbais de lideres muçulmanos. Há pouco mais de um mês, em 4 de junho, em uma reunião em Beirute, no Líbano, representantes do Hamas, Hezbollah e influentes clérigos muçulmanos, como o aiatolá Moshen Araki, do Irã, acordaram que “a destruição de Israel” é a prioridade máxima dos movimentos islâmicos, sustentando o apoio e o respaldo a ações terroristas desses grupos na região.

Em 5 de julho de 2015


Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

1 Comentários:

  1. OGlobo publicou tais correspondências entre esse músico e Caetano Veloso; o governo israelense deveria solicitar direito de resposta. O sujeito é líder artístico do boicote à Israel. Para ele não importa se o estado judeu vem sofrendo frequentemente lançamento de mísseis. Os grupos fundamentalistas Hamas usam crianças e mulheres como escudo humano para chocar à opinião pública mundial. A paz na região só será possível quando ambos governos se reconhecerem mutuamente... Mas o Hamas quer varrer Israel do mapa... Tecnicamente, a Palestina tem dois governos distintos: o de Gaza e o da Cisjordânia. Os dois não se entendem; ficaram de fazer governo de coalizão, mas até agora... Fica a questão: quem a representa de direito e de fato? Nem a ONU parece não saber a resposta...

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics