Coisas Judaicas : Jó: Articulação e Suavização
[ ]
Latest News Updates
Jó: Articulação e Suavização
20/07/15 Posted by Coisas Judaicas

 Jó: Articulação e Suavização

O livro de Jó é praticamente um manual de psicologia, descrevendo em detalhes o processo de psicanálise.

Jó sofre de uma ansiedade psicológica, uma dor existencial que não pode suportar. Quando se confronta com isso pela primeira vez, comporta-se como um enlutado inconsolável, que não consegue dar vazão a seu sofrimento. Mesmo após sentar-se em silêncio por um prolongado período na presença de três amigos que foram visitá-lo para oferecer conforto, ele é incapaz de livrar-se da dor, e começa a falar amaldiçoando o dia em que nasceu. Segue-se um diálogo infrutífero entre ele e seus amigos, sobre todos seus fardos, e reclamações contra D'us. Depois disso aparece um novo personagem, Elihu ben Berachel, que fala com preocupação honesta sem afetação, e finalmente o próprio D'us se dirige a Jó e o reprova. Jó recupera-se psicológica e fisicamente, e retorna a seu estado anterior de saúde e bem-estar.

Embora Jó não blasfemasse contra D'us, ele não aceitou seu sofrimento como justificado, e portanto não o aceitou com amor e submissão perante D'us. Seus três amigos tentaram fazer terapia com ele (cada um usando uma técnica psicológica diferente) e convencê-lo, sem sucesso, de que seu sofrimento não era sem motivo. Foi depois disso tudo que o jovem Elihu, que tinha ficado quieto durante todo o diálogo precedente em deferência aos mais velhos, ofereceu sua admoestação, sensível porém convincente.

Elihu introduz suas declarações dizendo: "Pensei que a idade falasse, e que a passagem dos anos conferisse sabedoria." Mas quando ele viu que eles não poderiam responder a nenhuma das queixas de Jó, ele ficou desiludido com os anciãos e concluiu que, ao contrário, é o espírito dos homens e a alma de D'us [dentro dele] que lhes dá o entendimento (Livro de Jó 32:7-8). A fonte da verdadeira resposta a Jó está na inspiração Divina, que pode existir em uma pessoa jovem tão facilmente como em um ancião. Somente através da ajuda e inspiração de D'us um conselheiro ou terapeuta pode ter a esperança de penetrar nas profundezas do subconsciente da pessoa, e assim ajudá-la a resolver seus problemas psicológicos.

Elihu, que começa o processo da verdadeira cura, faz o papel de Eliyáhu, o Profeta, o arauto da verdadeira e suprema Redenção messiânica.

Mashiach é o psicólogo consumado que desvenda todos os pesadelos retorcidos do amargo exílio, revelando seu âmago bom. Mashiach saberá como abrir a todos e possibilitar-lhes a articular sinceramente suas ansiedades; ele juntará todos os fragmentos dispersos da alma despedaçada de cada um e os trará de volta ao âmago imaculado de seu coração, que sempre foi fiel a D'us e Sua Torá. Como o Báal Shem Tov, ele relembrará o homem de sua identidade esquecida, e assim resolverá o enigma de seu mal psicológico. Esta é a dimensão psicológica da tarefa de Mashiach, reunir os dispersos de Israel de volta a Sion, pois Sion (que literalmente significa ponto ou marcador) simboliza na Cabalá o ponto mais íntimo do coração. O exílio dos judeus é uma metáfora para a consciência dispersa de uma pessoa que perdeu contato com seu ser interior.

Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics