Coisas Judaicas : Intolerância,xenofobia ou anti-semitismo ?
[ ]
Latest News Updates
Intolerância,xenofobia ou anti-semitismo ?
23/06/15 Posted by Coisas Judaicas

Intolerância,xenofobia ou anti-semitismo ?

"Historicamente,a intolerância está presente na esfera das relações humanas fundadas em sentimentos e crenças religiosas. É uma prática que se autojustifica em nome de Deus; adquire o status de uma guerra de deuses encarnados em homens e mulheres que se odeiam e não se suportam. Heinrich Mann (1993:11), em A Juventude do Rei Henrique IV, fornece uma descrição que nos permite visualizar os efeitos da intolerância religiosa: 
"Mas no país inteiro também se incendiava e matava em nome das crenças inimigas.
A diferença das crenças religiosas era levada profundamente a sério, e transformava as pessoas que normalmente nada separava em inimigos extremados. Algumas palavras, especialmente a palavra missa, tinham efeito tão terrível que um irmão tornava-se incompreensível e de sangue estranho para outro".[1]

José Saramago (2001) denominou este ódio recíproco fundado em valores religiosos como "O Fator Deus": 

"De algo sempre haveremos de morrer, mas já se perdeu a conta aos seres humanos mortos das piores maneiras que seres humanos foram capazes de inventar. Uma delas, a mais criminosa, a mais absurda, a que mais ofende a simples razão, é aquela que, desde o princípio dos tempos e das civilizações, tem mandado matar em nome de Deus"

Para se pensar !

      Quando vieram contra os negros,
      eu não era negro e não fiz nada.
      Quando vieram contra os favelados,
       eu não era favelado, não fiz nada. 
      Quando vieram contra os homossexuais,
      eu não era homossexual e não fiz nada.
      Quando vieram contra as mulheres,
      eu não era mulher e não fiz nada.
      Quando vieram contra os analfabetos, 
      eu não era analfabeto, não fiz nada.
      Quando vieram contra os pobres,
      eu não era pobre e não fiz nada.
      Quando vieram contra os aleijados,
      eu não era aleijado e não fiz nada.
      Quando vieram contra os outros,
      o assunto não me dizia respeito e
      não fiz nada.
      Quando vieram contra mim,
      ninguém me defendeu.

      Quem não é vitima de discriminação e abuso 
      sempre pensará que o sofrimento do outro não é
grande coisa, que é exagero.

      Alguns acham que discriminação
      nem existe, que não existe discriminação contra
      negros, contra mulheres, contra homossexuais, 
aleijados, favelados, pobres...

      Assim seguimos e fazemos todos os dias,
      desprezamos ou diminuímos
      o sofrimento alheio.
      Não dando atenção à dor do outro nos
      condenamos a sofrermos em silêncio, a 
      sofrermos sozinhos a nossa própria dor.
      O preconceito só existe porque o silêncio
favorece os opressores.
      Quem, acovardado, se omite,
      concorda com o abuso.
      Quem concorda com o abuso, 
      será abusado ouvindo o silêncio cúmplice dos
      outros.
      E tudo parece muito normal,
      tão normal quanto sofrido e solitário.
      Aquelas frases acima poderiam ser
      reescritas assim? 

      Quando vieram contra os negros,
      eu não era negro e não fiz nada e,
      calado, também eu era contra os negros.
      Quando vieram contra os homossexuais,
      eu não era homossexual e não fiz nada e, calado, 
também eu era contra os homossexuais.
      Quando vieram contra as mulheres,
      eu não era mulher e não fiz nada e,
      calado, também eu era contra as mulheres.
      Quando vieram contra os analfabetos, eu não era 
analfabeto, não fiz nada e, calado, também eu era
contra os analfabetos.
      Quando vieram contra os favelados, eu não era
favelado, não fiz nada e, calado, também eu era contra
os favelados.
      Quando vieram contra os pobres, eu não era pobre 
e não fiz nada e, calado, também eu era contra os
pobres.
      Quando vieram contra os aleijados,
      eu não era aleijado e não fiz nada e,
      calado, também eu era contra os aleijados.
      Quando vieram contra mim, ninguém me 
      defendeu, usaram o silêncio e a indiferença
      para apoiar meus inimigos.

      Uma lição a ser aprendida:
      o que nos faz iguais é que somos, todos,
      diferentes uns dos outros.
       De onde vem o medo de ser diferente? 
      Do silêncio?
      Porque?
      Pense nisso.
     
  (Inspirado no documentário: "Olhos azuis" de Jane Elliott)

Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics