Coisas Judaicas : A visão judaica sobre os anjos
[ ]
Latest News Updates
A visão judaica sobre os anjos
09/06/15 Posted by Coisas Judaicas


A existência dos anjos no judaísmo é um fato bastante interessante. Devemos nos perguntar algumas questões sobre este assunto. Em primeiro lugar, o que são anjos? Por que D's criou-os? Será que D's precisa de ajudantes? Quando eles foram criados? Eles tem livre arbítrio?

O Talmud nos conta que para tudo o que acontece em nosso mundo, até mesmo o nascimento de uma planta, há necessidade de um anjo. Está escrito que tudo que D's manda para o nosso mundo passa pelos anjos e pelos astros.

Isto se deve ao fato de que, quando D's se revela no mundo, o mundo não aguenta tamanha santidade. Quando D's se revelou ao nosso povo no Monte Sinai, falando os dois primeiros mandamentos, o Povo Judeu não aguentou tamanha revelação, todos morreram e D's os ressuscitou.

Sobre a praga dos primogênitos, está escrito que D's salvou os primogênitos dos judeus. Esta afirmação é um tanto estranha, pois D's mandou todas as pragas sobre os egípcios e automaticamente elas não recaíam sobre os judeus. Se foi assim com todas as pragas, por que justamente nesta Ele salvou os judeus?

A resposta é que nesta praga houve uma revelação divina muito grande, como está escrito: "ani velo malach" – Eu e não um anjo – e por causa desta revelação mesmo os primogênitos judeus deveriam morrer, de tanta santidade. Por isso, D's os protegeu, fazendo com que aguentassem tamanha revelação.

Assim, para haver uma revelação divina de forma que o mundo aguente, precisamos de uma força espiritual limitada, que se chama anjo! Ou seja, a definição de anjo é uma força espiritual limitada que haje no mundo, de forma que o mundo e as pessoas possam aguentar. Podemos exemplificar os anjos, comparando-os a um garfo que não tem ação própria, faz exatamente os movimentos da mão, mas age de forma mais delicada.

O anjo não tem corpo nem livre arbítrio. Quando aparece no Tanach um anjo com um determinado corpo, isto não quer dizer que o anjo tem corpo, mas sim, que quando ele aparece para um ser humano ele precisa se revestir em algo físico como um ser humano ou como um arbusto pegando fogo, para que seja visto pela pessoa para quem se revela.

Assim, um anjo nunca fará nada contra a vontade de D's. Portanto, podemos dizer que o Satan (anjo que nos acusa pelos nossos pecados) é um anjo bom, pois não tem livre arbítrio e faz exatamente o que D's ordenou-lhe e sabemos que tudo que D's faz é bom. O Zohar (cabalá) nos traz a história de um rei que queria testar o nível moral de seu filho e contratou uma prostituta para testá-lo. Após diversas tentativas sem obter êxito, esta volta ao rei e com muita felicidade diz que seu filho passou no teste. Assim é o Yetser Hará ou o Satan, ele tenta nos fazer pecar pelo fato de D's ter lhe ordenado a nos testar, mas ele fica feliz quando demonstramos que nós também fizemos a vontade de D's e passamos no teste.

Cada anjo só tem uma única função, como, por exemplo, Refael, o anjo responsável pela cura. O único anjo que aparentemente tem diversas funções é o Yetser Hará, pois o Talmud nos conta que o Yetser Hará (anjo que nos tenta a pecar), o Satan (anjo que nos acusa no tribunal celestial) e o Malach Hamavet (anjo que aplica o castigo – anjo da morte) são o mesmo anjo. O Rabi Tsadok HaCohen Melublin nos explica que o pecado/a falta (Yetser Hará), a acusação (Satan) e o castigo (Malach Hamavet) são a mesma coisa, têm a mesma função, porém, em mundos diferentes. Em nosso mundo a única coisa que percebemos é o castigo. No mundo intermediário espiritual sentimos a falta, o estrago de nossos pecados e num nível ainda mais alto "do lado de Hashem" não falta nada, mas chega até lá a acusação.

A verdade é que, de forma geral, existem dois tipos de função para os anjos: os que trazem as coisas de cima para baixo, do espiritual para o material, conforme citamos acima (estes foram criados no 2º dia) e os anjos que levam as coisas de baixo para cima, que levam nossas mitsvot e averot (pecados) materiais para o mundo espiritual (foram criados no 5º dia). Quando o Talmud nos conta que os anjos ficam cantando para D's, a idéia não é simplesmente cantar, D's não precisa que fiquem cantando para Ele. O cantar dos anjos simboliza transformar em espiritual as coisas materiais (nossas mitsvot materiais que cumprimos em nosso mundo).

É importante frisar que o anjo não tem poder próprio, faz somente o que D's o ordenar. Assim sendo, não adianta e nem podemos rezar para os mesmos. Os anjos no judaísmo não têm nada a ver com os santos do cristianismo.

Muitos perguntam sobre a existência de anjos da guarda. Será que eles existem? A verdade é que sim, existe anjo da guarda! Porém, não como as pessoas imaginam. O Pirkei Avot nos ensina que, quando cumprimos uma mitsvá, criamos um anjo defensor e quando transgredimos um mandamento também criamos um anjo, porém, neste caso, um anjo acusador. De acordo com o que explicamos acima, fica claro que não criamos um ser com asinhas, nem com auréula. Na verdade, criamos uma força espiritual que fica ao nosso redor nos incentivando a cumprir outras mitsvót e que nos protege. Esta proteção é momentânea para a maioria das mitsvót. A única mitsvá que cria um anjo que nos protege continuamente é o estudo da torá.

Os anjos também são chamados pela torá de Omdim que significa parados, pois, apesar serem seres espirituais, eles não têm como se elevar espiritualmente, estão sempre no mesmo nível, pois não têm livre arbítrio. 
Assim, nós, seres humanos, podemos chegar a um nível superior ao dos anjos, quando vivemos nossas vidas da forma correta, de acordo com a torá, apesar de todas as dificuldades de nosso mundo material.

Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics