Coisas Judaicas : Carta de Martinho Lutero
[ ]
Latest News Updates
Carta de Martinho Lutero
19/05/15 Posted by Coisas Judaicas

Carta de Martinho Lutero
Em 1523, Martim Lutero escreveu:


Talvez eu consiga atrair alguns judeus para a fé cristã, pois nossos tolos, os papas, bispos, sofistas e monges... até agora os têm tratado tão mal que... se fosse judeu e visse esses idiotas cabeças-duras estabelecendo normas e ensinando a religião cristã, eu preferiria ser um porco a ser cristão. 

Pois esses homens trataram os judeus como cães, e não como seres humanos.

Essa declaração foi feita no início do período da Reforma, quando Lutero ainda era muito jovem. Nos anos seguintes, entretanto, ele ficaria cada vez mais irritado com o fato de que os judeus, ao lado de quem ele se colocara contra os preconceitos da Igreja Católica Romana, recusavam-se terminantemente a se converter ao Cristianismo.

Vinte anos mais tarde, amargurado e desapontado, Lutero escreveu estas palavras inacreditáveis a respeito do povo que um dia defendera:

Carta de Martinho Lutero aos governos da época. 

Depois ele tentou se retratar, mas já estava impresso para a posteridade. Leiam e chorem: "Primeiro, suas sinagogas deveria sem incendiadas… 
Segundo, seus lares deveriam também ser invadidos e destruídos... 
Terceiro, seus livros de oração e seu Talmud deveriam lhes ser proibidos... Quarto, seus rabinos deveriam ser proibidos, sob ameaça de morte, de ensinar... 
Quinto, passaportes e viagens deveriam ser absolutamente proibidos a judeus… 
Sexto, deveriam ser obrigados a parar com usuria (cobrar interesse em empréstimos)... 
Sétimo, que seja dado a cada jovem e forte judeu e judia o ancinho, a pá, o machado, a foice, o cajado, o tear, e que ganhem o seu pão com o suor de seus narizes... 

Devemos arrancar a preguiça de seu sistema… Portanto, que se acabem…

Em suma, caros príncipes e nobres que possuem judeus em seus territórios, se este meu conselho não lhes for de serventia, encontrem algo melhor, para que vós e nós possamos todos ser livres deste inaguentável fardo diabólico: os Judeus."

Coisas Judaicas

Agradecemos por sua visita! Se você gostou, use um dos botões acima e compartilhe!

4 Comentários:

  1. Lamento profundamente ler estes comentários, porém não devemos esquecer que este era o início da reforma protestante e que os comentários de uma pessoa não podem retratar o pensamento de toda uma comunidade. Podemos tomar como péssimo exemplo, a posição do papa na segunda guerra mundial, apoiando aquele cidadão do bigodinho , o que com certeza não espelhava a opinião do povo católico. Sou protestante e amo o povo Judeu. Renato Andreoli

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. A princípio, Martinho Lutero foi simpático aos judeus, crendo que, ao conhecerem os verdadeiros fundamentos do cristianismo, eles abraçariam a Reforma. Em 1523, seis anos depois do início do movimento, Lutero escreveu um tratado denominado “Jesus nasceu judeu”. Nesse trabalho, ele acusava os papas de terem afastado os judeus do bom caminho. Infelizmente, a recusa dos judeus em se converterem ao cristianismo acabou levando Lutero a publicar, em 1542, o livro“Dos judeus e suas mentiras”, em que os atacava com as seguintes palavras, entre outras: “Seria preciso, para fazer desaparecer essa doutrina de blasfêmia, atear fogo em todas as suas sinagogas e se delas restasse alguma coisa após o incêndio, recobri-las de areia e de lama, a fim de que não se pudesse mais vera menor telha e a menor pedra de seus templos[…] Que se proíbam os judeus entre nós e em nosso solo, sob pena de morte, de louvara Deus, de orar, de ensinar, de cantar”.
    Quatrocentos anos depois, o livro seria reeditado por ninguém menos que Adolf Hitler, como um instrumento ideológico contra os judeus. Ainda hoje, a obra de Lutero é o livro de cabeceira dos neonazistas.

    ResponderExcluir
  4. Pena. Estou envergonhado pelo disparate impensado dele. Sou cristão e amo Israel e os judeus. Deus abençoe está nação e o seu povo.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião

Real Time Web Analytics