Coisas Judaicas

Hebraico

Músicas

Livros

Assine nosso Feed

Opinião

Videos

Comunidades

História

Instituições

Vida Judaica

Notícias Judaicas

Cultura & Arte

Notícas de Israel

Confira também

Comida Judaica

NY Times sobre Tzahal

 

Israeli Army, a National Melting Pot, Faces New Challenges in Training Officers

MITZPE RAMON, Israel — The young officer candidates, in uniforms and old American helmets, their M-16s slung over their shoulders, were blowing up balloons. Lilac, blue and red balloons. Then they attached them to targets.

The balloons were "hostages," they said. The point was to hit the target but not a hostage. Of course, since some of these young men and women were training for office jobs, their skills were not always so acute. They did not kill any hostages, but sometimes they did not hit the target, either, their bullets piercing the desert hills.

Other candidates, combat soldiers, were considerably better shots. But the mix was intentional: virtually all Israel's officers-to-be, from every military branch excluding pilots, pass through this institution in the desert hills of the Negev, near the natural wonder of Mitzpe Ramon, an enormous eroded crater.

Israel's defense forces are considered among the world's best, a people's army that combines professionalism and informality, and serves as a melting pot for a complicated society with real enemies. Yet it also faces challenges, including an effort to recover from a poorly run war, a rise in the number of young people dodging military service and an increase in religious Israelis, many of them settlers, who serve.

The army has faced harsh criticism after the 2006 war against Hezbollah in Lebanon, and the Israeli defense minister, Ehud Barak, a former chief of staff who was Israel's most decorated soldier, has complained that too many people are evading service.

"From the army of the people, the Israeli Defense Forces are gradually becoming the army of half the people," Mr. Barak said. "A soldier must not feel that when he goes to battle that in the eyes of part of the society he's a sucker."

Col. Ziki Sela, who is in charge of personnel planning for the military, said it was important to distinguish between those who were not asked to serve — Israeli Arabs, ultra-Orthodox Jews, the ill — and the roughly 25 percent of eligible male draftees who found a way not to serve. That figure is nearly twice as high as in 1980, yet not much different from five years ago.

But some of the draft dodgers, both men and women, have been prominent in entertainment, including a famous model and five of the eight finalists in Israel's version of "American Idol."

Today, Colonel Sela said, about 54 percent of Israel's 18-year-old men are being inducted, which is not enough to meet his needs, especially for support personnel. About 43 percent of eligible women do not serve either, he said, in part because a young woman can merely state that she "follows a traditional lifestyle" to be exempted as too religious for the army.

But of the 25 percent of eligible men who do not serve, many live overseas, have criminal records or medical exemptions. Colonel Sela said about 12 percent were draft dodgers. But some analysts, like Stuart Cohen, a professor of political science at Bar-Ilan University, argue that the real figure for true draft dodgers is 5 percent or less.

What the figures disguise, however, is the undiminished fervor of young men volunteering to fight in combat units, which make up roughly a third of the army. The Golani infantry brigade, for instance, gets 10 applicants for every place.

But in another challenge for the army, a large proportion of those volunteering for combat units — 30 percent to 40 percent — come from the "national religious" sector, Zionists who tend to wear knitted skullcaps and are frequently settlers. In the past, many fighters volunteered from Israel's kibbutzim, or collective farms. But now, large numbers are "the new pioneers," the children of settlers.

They are eager to fight Israel's enemies. But as Israel contemplates new peace talks with the Palestinians — and an eventual withdrawal from large sectors of the occupied West Bank — the government and army worry that many of those soldiers, and officers, may refuse orders to dismantle settlements.

Col. Aharon Haliva, 40, is the commander of this school, which is almost as old as the state. A former brigade commander in the occupied West Bank, Colonel Haliva is blunt. "The army reflects the society, with all its strengths and problems," he said. "After the second Lebanon war, people want to be able to believe in their army, which is themselves."

He said he worried for a time that young people might refuse to become officers after the failures against Hezbollah in Lebanon. "It's much easier to win battles when you understand why you're there, and what you're expected to do," Colonel Haliva said in a tart comment on that war. "We all want to be part of a strong organization."

By the time the candidates get here, "they know how to fight," he said. "I'm not worried about how they use their weapons. I'm concerned with implanting the right values."

But this school, like the society, is struggling with the great internal challenge of how, if ordered, to remove thousands of Israeli settlers from the West Bank — many more than the 9,000 torn with such national agony from Gaza.

The army draws many of its best combat soldiers and officers from the "national religious." Here, they make up about 10 percent of the staff officers, 15 percent of the combat support officers and up to 40 percent of the combat officers, the colonel said. "You don't find them in Tel Aviv, but all over the hills of Judea and Samaria," he said, using the biblical names for the West Bank. "They are the pioneers of today."

When there is a pullout from the West Bank, "a lot won't serve in a disengagement, I'm sure of it," Colonel Haliva said. "Just as some kids on the left don't want to serve in the territories."

He wants his officers "to have more questions than answers." But it is his job and that of his staff to explain "the importance of what they're doing, and the reasons they're being ordered to do it," he said. "After Gaza, we thought that maybe some of these kids would refuse to become officers, but it's not true."

Still, there are doubts. Levi Harvith, 22, is a member of the Golani infantry brigade, like the current army chief of staff. Tall, fit and articulate, he has already served in Lebanon and Gaza.

"We're in elite units," he said. "We're trained in flexible thinking. We want to lead by example, but we're encouraged to solve problems in more creative ways."

Mr. Harvith sees himself as a leader. "In two months I'll command 20 soldiers, and from them there will be maybe two officers, and that's another 40 soldiers, and another 40 families. We have a big effect on the society."

First commanders matter, he said. "The way I hold my weapon — it's the way my first commander held it."

He is also religious, he said. Would he have pulled people out of Gaza?

"That's a good question," he said, then paused. "For me, it's not just a religious question but a moral question. I do what I'm told," he said, pausing again. "Except in moral cases, that's the point."

Asked where he would seek advice, he said he would first talk to his father, and then to "previous commanders I admired."

Would he talk to his rabbi? "Maybe my father would," he said. "You need the right proportion of asking questions and obeying."

The national religious are estimated to make up some 15 percent of Israel's population, and they have growing influence in the officer corps. Yael Paz-Melamed, a leftist columnist for the daily newspaper Maariv, warned that the army was becoming "increasingly political and right wing."

The "hesder yeshivas," which combine military service and Torah study for some of the most religious candidates, also raise concerns. The hesder yeshivas now turn out 1,200 recruits a year, Colonel Sela said, a 40 percent increase in five years. "We're not happy with that," he said. "It's too much. We want about 900."

Israel rarely identifies future officers before they join the army. They are chosen by their commanders after a year or more in uniform, after a battery of tests and often after combat, to come to this place, known as Bahad 1, short for Instruction School No. 1.

About 6,500 cadets a year come through here, Colonel Haliva said, divided into those who will command offices, combat support units and combat units. "We have the young elite of the country here, full of motivation," he said. "They want to become officers, it's still a very strong brand in the society, and it's a brand for life."

Noa Leshem, 19, arrived here after 16 months in the military. An air traffic controller, she will command a platoon of them. "This place gives me tools," she said. "What it means to be a leader, what it means to be a Jewish Zionist. I'm more clear-minded now about the army, about the relationship to democracy and the way we can improve."

This semester takes only 15 weeks, with classes on technical subjects like navigation and weapons and courses on leadership, psychology, character and values.

There is a trip to Jerusalem to visit institutions like the Parliament, the Supreme Court and the Holocaust museum at Yad Vashem. It ends with a long combined armor exercise.

Then there are another 15 weeks of specialized training with their units. They graduate as first lieutenants and platoon commanders.

Shahar Heimann, 20, is a combat soldier, having served in Jenin, Nablus and Ramallah. He said the cadets were conscious of Israel's social divide and how it could affect the army.

"Every soldier here sees himself as a company leader," he said. "We can't change the whole society, but in a smaller way, by leading our soldiers the best we can."

He said it was important to mix with officer candidates from "all over the army and the society — the Druse, Bedouin, Ethiopians, Russians."

"You see all the minorities," he said, "and you understand their problems better."

Copyright 2007 The New York Times Company

__________________________________________________

- Para cancelar --
Magal
Visite www.correioregional.com

Parashá Vaerá



---------- Forwarded message ----------
From: dámaris tavares <alblogdeextraviados@eduplanet.net >
Date: 31/12/2007 09:05
 
 

B"H

"Eu sou o Eterno …" (Shemot 6:2)
E falou Hashem a Moisés e lhe disse: "Eu sou o Eterno; e apareci a Avraham, a Itzchak e a Yaacov como o Omnipotente e meu nome, o Eterno, Hashem não lhes revelei. Ademais pactuei com eles a entrega da terra de Canaã onde habitam e também escutei o lamento dos filhos de Israel que os Egípcios têm escravizado e recordei o Meu pacto. ¿Que quis Hashem demonstrar a Moshé quando lhe mostra a diferença dos homens com os quais Ele se parece e porque lhe recorda o pacto com nossos Pais e não esquece o grito que o povo fez "recordar" o pacto? Maasé Avot Simán la Banim. Os acontecimentos e factos que ocorreram a nossos antepassados são um grande ensinamento para nós. Do que disse a Moshé, Hashem quer ensinar-nos a razão de toda a existência e a fonte de todos os feitos:"Eu sou o Eterno" tudo o que acontece está estabelecido pela Vontade Divina, com uma meta:"Para que saibam que Eu sou Hashem...". ¡Não nos pede a Torá que creamos em Hashem, senão que saibamos! A ideia de que a crença não está baseada no conhecimento, é falsa, que qualquer dúvida a coloque em questão. Enquanto que perante a crença baseada no conhecimento, todas as dúvidas que possam aparecer somente motivam a indagar e responder a essas dúvidas. "E assim falou Moshé aos filhos de Israel... e não escutaram Moshé pela intransigência e o duro trabalho". Para escutar, faltam algumas condições: querer aceitar a ideia do próximo e a tranquilidade física. Esta última condição Faraó conhecia-a muito bem quando depois da primeira visita de Moshé e Aarón para exigir-lhe a saída do povo de Israel, os critica e diz: "...porque Moshé e Aarón incomodam o povo nos seus trabalhos? ¡Vão fazer as suas obrigações!". E obrigou Faraó naquele dia os opressores do povo e os guardas e lhes disse: Não entreguem mais palha ao povo para a fabricação de tijolos... pois estão folgados, por isso dizem vamos e sirvamos a Hashem!". O Faraó sabia que o pior inimigo do pensamento era a ocupação, o trabalho, a preocupação, factos que turvam o pensamento e não lhe permitem fazer o seu exame. A era moderna, a industrialização, a tecnologia, sonharam com o homem "Sapiens" dedicado ao pensamento, afastado de todo o esforço físico. Os sonhos de prémio Nóbel em que os mineiros não tiveram que partir mais as rochas das minas, ou o sonho de Oppenheimer na fonte da energia. Tudo fazia pensar que no ano 2000 começaria a era messiânica, a robótica descartava os obreiros, os computadores a burocracia e a liberdade os regimes totalitários... e o homem chegaria por fim a concretizar o seu sonho! Entretanto, encontramos alguns anos depois dessa data tão esperada e nos sentimos mais afastados que nunca: terrorismo sofisticado, guerras electrónicas, novas classes de escravidão... Dissemos novos modos de escravidão? ¡Sim! A escravidão no Egipto, que no início se podia pensar que não havia mais nada humano que essa escravidão, que tinha subjugada mais de metade da humanidade em condições ínfimas de trabalho de dez horas diárias por um prato de comida, era um espelho da triste realidade!
Resumo da Parashá
Nesta parashá o Eterno apresenta-se a Moshé afirmando-lhe que com a Sua mão forte o Faraó deixará partir o o Povo de Israel e os expulsará da terra do Egipto. Também lhe recordou o Seu Pacto com Avraham, Itzchac e Yaacov, que daria a terra de Canaã aos filhos de Israel. E o povo de Israel não quis ouvir as de Moshé por impaciência e por sentir-se quebrantados pela servidão. Moshé temeu, uma vez que os seus irmãos não o ouviram, como o escutaria o Faraó, ainda mais com o seu problema de dicção? Uma vez mais, o Todopoderoso disse a Moshé que, quem falaria por ele seria seu irmão Yaacov e não obstante o coração do Faraó seria endurecido por Ele e sobre o povo cairiam severos castigos. Moshé tinha oitentas anos de idade e Aarón oitenta e três. O Eterno disse a Moshé que quando o Faraó lhe dissera que fizesse milagres, Aarón deveria tomar a vara de Moshé e lançá-la ao chão perante o Faraó e se converteria em cobra. Assim aconteceu e também os magos egípcios fizeram o mesmo mas o bastão dos egípcios. Igualmente, apesar deste milagre, o coração de Paraó se endureceu. Começaram a produzir-se pragas sobre o Egipto. Moshé advertiu o Faraó do que ia a acontecer. A primeira foi quando Aarón, segunda as instruções de Moshé, agitou o seu bastão sobre o rio Nilo, sobre canais, lagunas e reservatórios e todas as águas se converteram em sangue. Os peixes morreram e houve um cheiro horrendo. Tudo isto obrigou os egípcios a implorar aos judeus que lhes dessem água, já que estes não sofreram os efeitos da praga. O Faraó não mudou a sua tenaz atitude. Posteriormente Aarón estendeu a sua mão sobre o Nilo e apraceram rãs que envolveram toda a terra. O Faraó suplicou a Moshé que contivesse os efeitos da praga e que depois permitiria sair o povo. Moshé orou ao Eterno para parar a praga mas o Faraó não cumpriu a sua promessa. Aarón atingiu com seu bastão sobre o pó da terra e este se converteu em piolhos que envolviam homens e animais. Esta praga, os magos não puderam repeti-la, admitindo assim a superioridade do Todopoderoso. Mas o coração continuava endurecido. Moshé assinalou que os animais selvagens assediaram as casas dos egípcios mas não às de Goshen onde viviam os judeus. Novamente Paró (Faraó) prometeu deixar sair o povo por três dias para que oferecessem sacrifícios ao Eterno mas quando se deteve a praga , o seu coração voltou a endurecer-se.
Rab. Shlomó Wahnón

 Fonte :posted by "Shaare Orah" at 10:07 AM 0 comments 

 
 


--
Magal
Visite www.correioregional.com

MILHO BOM – PARASHÁ SHEMOT 5768

BS"D

MILHO BOM – PARASHÁ SHEMOT 5768 (28 de Dezembro de 2007)

Esta é a história de um fazendeiro que sempre vencia o prêmio
"milho-crescido". Todo ano ele entrava com seu milho no concurso e
ganhava o maior prêmio.Uma vez um repórter de jornal o entrevistou e
perguntou como ele cultivava o milho para sempre ser o vencedor. O
fazendeiro contou que o segredo era compartilhar a semente do milho
bom com seus vizinhos. Mas o repórter não entendeu, e perguntou:

- Como pode você se dispor a compartilhar sua melhor semente de milho
com seus vizinhos, quando eles estão competindo com o seu todo ano?

- Vou te explicar - disse o fazendeiro - O vento apanha o pólen do
milho maduro e o leva de campo para campo. Se meus vizinhos cultivam
milho inferior, a polinização degradará continuamente a qualidade do
meu milho. Se eu quiser cultivar milho bom, eu tenho que ajudar meus
vizinhos a também cultivar milho bom.

Ele era atento às conectividades da vida. Ele sabia que o milho dele
não poderia melhorar a menos que o milho do vizinho também melhorasse.

Assim acontece também em outras dimensões. Aqueles que querem estar em
paz devem fazer com que seus vizinhos estejam em paz. Aqueles que
querem viver bem têm que ajudar os outros para que vivam bem. E
aqueles que querem ser felizes têm que ajudar os outros a achar a
felicidade, pois o bem-estar de cada um está ligado ao bem-estar de
todos.

A lição que fica para cada um de nós: se queremos cultivar milho bom,
nós temos que ajudar nossos vizinhos a também cultivar milho bom.
----------------------------------------------------
Nesta semana começamos o segundo livro da Torá, Shemot, que descreve a
escravidão do povo judeu no Egito e a redenção milagrosa de D'us, com
as 10 pragas e a abertura do mar Vermelho, sob o comando de Moshé
Rabeinu. E a Parashá desta semana, Shemot, descreve a característica
que fez de Moshé ser um líder tão grande: a preocupação com próximo.
Mesmo tendo sido criado na casa do Faraó, com todo o conforto e
abundância, ele não esqueceu seus irmãos e o sofrimento deles, e
constantemente saía para ver como estavam.

Em uma destas vezes, Moshé viu um egípcio golpeando um escravo judeu,
tentando matá-lo. Imediatamente Moshé salvou o judeu, matando o
egípcio e escondendo o corpo na areia. Logo em seguida a Torá relata
um incidente no qual Moshé viu dois judeus brigando, e quando um
levantou a mão para bater no outro, Moshé interveio e gritou "Rashá"
(Malvado). Um dos homens, indignado com a intervenção, perguntou para
Moshé "Quem te colocou por um homem, juiz e ministro sobre nós? Você
me matará, como matou ao egípcio?" (Shemot 2:14). A Torá descreve que
Moshé teve medo e falou "Certamente foi conhecido o assunto". A Torá
continua e diz que o Faraó, ao saber que Moshé havia matado um
egípcio, se enfureceu e tentou matá-lo, mas D'us salvou Moshé com um
milagre e ele fugiu para Midian, onde ficou muitos anos, até que D'us
se revelou para ele em um arbusto ardente e o escolheu como o salvador
do povo judeu.

Mas há algo estranho no relato sobre a briga dos dois judeus e a
discussão deles com Moshé. Quando Moshé matou o egípcio, ele se
certificou que ninguém estava olhando. Então como mais alguém sabia?
Além disso, do que Moshé ficou com medo? Aparentemente ele teve medo
que o Faraó escutaria que ele havia matado o egípcio e tentaria se
vingar, como realmente aconteceu. Então o que significa "Certamente
foi conhecido o assunto"? Deveria estar escrito "Certamente será
conhecido o assunto". A própria Torá descreve que somente depois disso
o Faraó ficou sabendo. Então que medo era esse, e o que ficou
conhecido?

Explicam nossos sábios que na verdade Moshé não temia o Faraó, e o
assunto que ficou conhecido não era sobre a morte do egípcio. Por
muitos anos Moshé vinha se questionando o porquê D'us havia castigado
o povo judeu de forma tão dura. O que havia de diferente no povo
judeu, que fazia com que eles merecessem aquele sofrimento, e não
algum outro povo? No momento que ele veio intervir na briga, um dos
judeus que estava brigando era justamente o judeu que ele havia
salvado no dia anterior. Ao invés de agradecimentos, o judeu ameaçou
delatar Moshé ao Faraó, e realmente o fez. Neste momento Moshé
entendeu tudo: havia Lashon Hará (mal uso do poder da fala) e
delatores dentro do povo judeu, e certamente este havia sido o motivo
pelo qual eles haviam sido escravizados. E por isso ele temeu, pois
entendeu que esse também era o motivo pela qual a redenção não chegava
e o castigo se tornava cada vez mais pesado.

É interessante notar que Moshé chamou um dos homens de Rashá apenas
por ter levantado a mão ao seu companheiro, sem nem mesmo bater nele.
Por que? Pois alguém só levanta a mão contra seu companheiro se aos
seus olhos o outro não tem nenhum valor. Uma pessoa só pode golpear
outra se no seu coração falta o mínimo de preocupação com o próximo. E
esse é exatamente o mesmo motivo que leva as pessoas a fazer Lashon
Hará de seu companheiro, pois quando nos preocupamos com o próximo,
certamente não falamos mal dele.

A escravidão no Egito foi a maneira que D'us utilizou para moldar o
povo judeu, e Moshé entendeu que enquanto ainda houvesse Lashon Hará e
desunião dentro do povo, não poderia haver redenção. E da mesma forma
que Moshé entendeu que o exílio e os sofrimentos se prolongavam por
causa do Lashon Hará, nossos sábios ensinam que também o nosso exílio
e o nosso sofrimento se prolongam por causa de nossa desunião e do
nosso Lashon Hará. Somente quando cada um realmente se preocupar com
seu próximo, e de verdade querer o bem de todos, haverá menos Lashon
Hará e os dias da nossa redenção finalmente chegarão.

SHABAT SHALOM

Rav. Efraim Birbojm
------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Refua Shlema (pronta recuperação) de: Freida
(Fanny) bat Chava, Chana bat Rachel, Carol bat Chana, Nechama bat Sara
Lea, Celde (Célia) bat Lea; Sala bat Ahuva, César ben Yossef, Frania
bat Perla; Isruel Nuchem ben Alta Hatzsler, Iossef ben Rachel; Yaakov
ben Sarah; Rebecca bat Esther, Abraham ben Esther, Iossef ben Rachel;
Yaakov ben Sarah; Sarah bat Esther; David ben Sara, Chaim ben Sara,
Naum ben Tube (Tereza), Chana bat Paula Rachel, Feigue bat Ida,
Avraham David HaCohen ben Reizel, Reizel bat Chaya Sarah Breindl.
--------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) do meu
querido e saudoso avô, Ben Tzion (Benjamin) ben Shie Z"L, que lutou
toda sua vida para manter acesa a luz do judaísmo, principalmente na
comunidade judaica de Santos. Que possa ter um merecido descanso eterno.
--------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) de:
Avraham ben Ytzchak, Joyce bat Ivonne, Feiga bat Guedalia, Chana bat
Dov, Kalo (Korin) bat Sinyoru (Eugeni), Leica bat Rivka, Guershon
Yossef ben Pinchas; Dovid ben Eliezer, Reizel bat Beile Zelde, Yossef
ben Levi, Eliezer ben Mendel.

--
Magal
Visite www.correioregional.com

Líder egípcio diz que ministra israelense "passou dos limites"

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, afirmou nesta quinta-feira que a ministra das Relações Exteriores israelense, Tzipi Livni, "passou dos limites" ao criticar a atuação do Egito no combate ao contrabando de armas na fronteira com a Faixa de Gaza.

Mubarak fez tais declarações em uma entrevista ao jornal israelense "Yedioth Ahronoth" que será publicada nesta sexta-feira e foi divulgada nesta quinta-feira pela agência oficial de notícias egípcia Mena.

"Ao julgar publicamente a situação na fronteira em vez de ligar ou enviar uma carta ao governo egípcio, Livni passou dos limites comigo", afirmou Mubarak.

O presidente egípcio disse que essa atitude "ajuda a piorar o clima (bilateral), e as relações com Israel são muito importantes para nós".

Mubarak declarou que, se Israel não concorda com a maneira por meio da qual o Egito trata o contrabando de armas, seu país incentiva o vizinho a dizê-lo.

Mas o presidente do país africano acrescentou que, se os israelenses têm outro jeito de lutarem contra o contrabando, então que "eles próprios busquem os contrabandistas".

"O Egito nunca cooperará no tráfico de armas contra Israel nem contra nenhum outro país", acrescentou o presidente egípcio.

Perguntado sobre um vídeo enviado por Israel aos Estados Unidos que aborda o contrabando de armas para Gaza, Mubarak assegurou, embora não tenha assistido à fita, que a gravação "é fabricada".

O chefe de Estado egípcio disse que essas armas também representam uma ameaça para seu país. "Quem pode garantir que as armas ilegais que confiscamos não eram para um atentado no Egito?", perguntou.

Diante de uma pergunta sobre a procedência das armas ilegais, Mubarak disse, segundo a agência Mena, que "chegam pelo mar", mas não quis entrar em detalhes.

O presidente egípcio disse ter muito para falar sobre o contrabando e sobre a origem das armas e da munição, mas não vai revelar tudo o que sabe para não afetar as relações entre Egito e Israel.

Limitou-se a dizer apenas que "as armas ilegais na faixa de Gaza chegam do norte, do sul, do golfo e de lugares inimagináveis".

O suposto contrabando de armas pela faixa de Gaza foi o principal tema da reunião do ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, com Mubarak na quarta-feira na cidade egípcia de Sharm el Sheikh, no que foi uma das reuniões bilaterais mais difíceis dos últimos anos.



--
Magal
Visite www.correioregional.com

Cristianismo vs. Islã

 

Cristianismo versus Islã

26/Dezembro/2007 · 12:44 · 144 Comentários

Na virada do século 19 para o 20, 200 milhões de muçulmanos viviam no mundo. Foi um século exuberante para o Islã: hoje, são 1,5 bilhão de fiéis. Em compensação, um ocidente cada vez mais laico produziu um crescimento em proporção muito menor à do aumento populacional do cristianismo. Jesus ainda vence Maomé – são 2 bilhões de cristãos, afinal – mas a se julgar pelo ritmo de uma e de outra, em 2050 o Islã deverá ser a maior religião do mundo.

A Economist edição dupla, que cobre a quinzena final de 2007, traz uma reportagem estupenda sobre o equilíbrio das duas filhas do judaísmo. (Diferentemente de cristãos e muçulmanos, judeus, os inventores do primeiro Livro sagrado, não vêem como sua a missão de sair pelo mundo a converter seguidores.)

De um lado, como financiadores, estão os poderosos evangélicos norte-americanos, que investem pesadamente na formação de missionários para espalhar pelo mundo. Do outro, estão a família real saudita e incontáveis milionários do petróleo árabes que gastam um bom dinheiro para espalhar o seu livro sagrado a qualquer interessado. (Peça um para você: www.freekoran.com.)

Os cristãos são mais espertos quando o assunto é marketing: no mercado dos EUA, há Bíblias de todos os tipos, adaptadas para crianças, adolescentes, adultos, comentadas ou não, há revistas multicoloridas, há filmes. E este material vai se espalhando em línguas várias.

Os muçulmanos têm uma tremenda vantagem: na maioria dos países islâmicos, a tentativa de converter qualquer um a outra religião é crime – muitas vezes, só rezar para outro Deus já é passível de cadeia ou outra pena. Então o Islã tem livre acesso à Europa, aos EUA e Américas, enquanto missionários cristãos não podem jogar no campo inimigo, salvo imenso risco.

Mas nem tudo é positivo. O Onze de Setembro foi uma rasteira. A maioria das entidades filantrópicas que investiam no espalhar da religião de Maomé foram declaradas suspeitas ou mesmo ilegais, por conta de envolvimento com o financiamento do terrorismo. Além disso, o terror despertou uma profunda desconfiança mundial. Não bastasse, islâmicos resistem a técnicas modernas de marketing, já que consideram seu livro sagrado a palavra literal de Deus – e não meramente inspiradas por, caso dos cristãos. Mexer com ela seria sacrilégio.

Por sua vez, os cristãos seguem perdendo espaço no coração europeu de sua origem. Por um lado, perdem para o próprio Islã, conforme jovens nascidos em famílias que migraram procuram contato com a religião de pais e avós numa busca de identidade; por outro, perdem para o nada, conforme jovens de origem européia bem educados deixam de ter uso para qualquer religião que seja.

O campo está aberto. Pode não haver um choque entre civilizações, mas os grupos interessados particularmente na divulgação de suas religiões farão do choque entre Cristianismo e Islamismo um conflito marcante das décadas porvir. O principal cenário desta disputa, no momento, passa ao largo de Europa ou Oriente Médio. É a África.

→ 144 Comentários Tags: Outros cristãos · Judaísmo · Igreja Católica · Islã

 

Cansei de apanhar: Hamas cede anéis para manter dedos




Hamas cogita trégua incondicional a Israel

 

EFE

JERUSALÉM - O Hamas está conversando com outras facções palestinas para declarar uma trégua incondicional a Israel, informou um líder do movimento islâmico citado hoje pelo jornal "Asharq Al-awsat".

- O debate sobre uma trégua renovou-se no seio do Hamas e de outras facções palestinas. Espero que tenhamos êxito - disse o líder islâmico, que pediu para não ser identificado. - Seria um cessar-fogo de nossa parte e outro da parte israelense, sem precondições - afirmou.

O chefe de política e segurança do Ministério da Defesa de Israele, Amos Gilad, disse neste sábado à rádio pública israelense que o Hamas não quer uma verdadeira trégua, mas "deter as operações em Gaza, já que sofreu um grande revés". Já o presidente israelense, Shimon Peres, classificou a proposta como "patética".

No entanto, os ministros de Infra-estrutura de Israel, Binyamin Ben-Eliezer, e de Transportes, Shaul Mofaz, mostraram-se receptivos à idéia. O trabalhista Ben-Eliezer disse na sexta-feira que, em um eventual pacto, o Hamas deveria pôr fim tanto ao lançamento de foguetes artesanais a partir de Gaza como ao contrabando de armas por túneis subterrâneos a partir do Egito, e ainda libertar o soldado Gilad Shalit, refém há um ano e meio.

http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2007/12/22/327731609.asp
Magal
Visite www.correioregional.com

Demonstração de força

Demonstração de força

Noah Pollak

No dia 09 de junho de 2006, uma praia em Gaza foi atingida por uma explosão que matou sete membros de uma família palestina. Pouco tempo depois, a televisão da Autoridade Nacional Palestina liberou um vídeo horroroso, mostrando uma menina de 10 anos gritando entre corpos mortos na praia, e os funcionários de um hospital e porta-vozes palestinos culpando furiosamente os disparos de artilharia das Forças de Defesa de Israel (FDI) pelas mortes - embora nenhuma investigação tivesse sido conduzida, e os acusadores palestinos não tivessem nenhum modo de saber o que de fato causou a explosão. Declarações exultantes de um massacre israelense foram noticiadas como fato, em jornais e transmissões de TV, ao redor do mundo; grupos de direitos humanos se uniram às condenações; e, mais uma vez, Israel viu-se como objeto de indignação internacional com relação à questão de vítimas civis. Se esta história e suas origens se ajustam perfeitamente a um padrão previsível, a reação de Israel à crise também seguiu o padrão previsível: as FDI cessaram imediatamente as atividades militares em Gaza, e as autoridades israelenses, em seus níveis mais altos, espontaneamente admitiram a culpabilidade das FDI e prometeram uma investigação do incidente.

O último capítulo da história é igualmente familiar: ao final das investigações ficou comprovado que os palestinos na praia não foram mortos pelas FDI. Invés disso, o Hamas tinha minado a parte da praia onde a explosão aconteceu, esperando defender seu arsenal de foguetes Kassam contra missões de comandos israelenses. Depois da explosão, homens do Hamas rastrearam a praia, removendo estilhaços que poderiam ser usados como prova. O vídeo sensacionalista, que capturou as simpatias de jornalistas crédulos, e provocou uma fogueira de afronta pública, se mostrou, em avaliação objetiva, uma montagem mutilada de trechos de vídeo colados e anacronismos não explicáveis. Em outras palavras, era um fraude. A própria explosão aconteceu uns dez minutos depois que a último cartucho de artilharia das FDI tinha sido disparado na área, e os estilhaços achados nos corpos das vítimas não eram de munições israelenses. O Hamas, em uma tentativa malfeita de defender Gaza, quase com certeza matou seus próprios cidadãos. No fim, nenhuma das evidências justificativas encontradas teve a menor importância: Israel já havia sido julgado e condenado no tribunal da opinião pública mundial nos primeiros poucos dias do incidente. E, como tem acontecido, tão freqüentemente, tanto antes como depois, as autoridades israelenses tinham ajudado seus inimigos a defender sua versão.

Israel já havia sido julgado e condenado no
tribunal da opinião pública mundial nos primeiros
poucos dias do incidente. E, como tem
acontecido, tão freqüentemente, tanto antes
como depois, as autoridades israelenses tinham
ajudado seus inimigos a defender sua versão.

Israel tem um problema de imagem. Começando com a Guerra do Líbano de 1982, e acelerando rapidamente depois do início da segunda Intifada em 2000, o estado judeu passou a ser visto em muitos locais de opinião culta e ilustrada como uma presença sinistra no cenário mundial. Fundado sobre princípios de direitos humanos, o Estado de Israel é visto agora como o opressor de outros povos; antes considerada uma sociedade corajosamente aberta em uma região de tiranos, Israel hoje é retratado como uma nação ocupante com tropas violentas; antes louvado como um modelo de direitos civis e democracia, Israel é chamado agora de um "estado apartheid". O próprio sionismo se tornou um importante alvo desta violência retórica. Antes considerado como uma resposta heróica a pogroms e genocídio, o sionismo agora é culpado por conceder absolvição ideológica para a perpetração desses mesmos crimes. Todas estas caricaturas têm por objetivo redefinir o caráter básico do sionismo e do estado que ele ajudou a criar, debilitando insidiosamente, deste modo, tanto a legitimidade do estado judeu em sua forma atual, quanto a base moral e ideológica para sua criação. E esta redefinição foi seguramente bem sucedida: em uma pesquisa de opinião feita em 2007, pela BBC World Service, foi pedido aos pesquisados, em dúzias de países, que classificassem 27 nações de acordo com sua influência positiva ou negativa no mundo. Israel foi classificado em último lugar absoluto - até abaixo do Irã - com apenas 17% dos entrevistados dizendo que viam Israel como uma influência "principalmente positiva". Entre países ocidentais, Israel se saiu apenas um pouco melhor: na Austrália, Itália, Reino Unido, França, e Grécia, Israel é visto como uma influência "principalmente negativa" por quase dois terços das pessoas, e, na Alemanha, por mais de três quartos das pessoas. Da mesma forma, uma pesquisa de opinião em 2003 concluiu que, entre europeus, Israel é considerado o país mais perigoso no mundo.

Os subordinados a este fenômeno são o que poderia ser chamado, se a pessoa quiser ser polêmica, o lobby anti-Israel, ou, mais precisamente, uma cultura dominante de opinião, compartilhada por organizações de direitos humanos, ONGs, departamentos de Estudos do Oriente Médio e grupos em campus universitários, as Nações Unidas, organizações cristãs "progressistas", e a maioria esmagadora da mídia e elite cultural britânicas e européias. Estas facções operam em um estado mais ou menos permanente de antagonismo a Israel, e em nenhuma época prévia da história do estado judeu existiu tal eixo internacional profusamente consolidado, mutuamente reforçado, para questionar sua própria legitimidade. Hoje, em muitas partes da Europa e do Reino Unido, e em algumas partes da América uma caricatura de Israel que antes só florescia nas facções ideológicas, foi popularizada: acredita-se que Israel é um opressor sádico, um assassino cruel de civis, um fomentador implacável de guerras no Oriente Médio, e o causador de uma responsabilidade estratégica ameaçadora para os Estados Unidos e o mundo ocidental.

A popularidade deste modo de pensar não evoluiu de forma natural. Foi cultivada assiduamente durante várias décadas, com as muitas batalhas empreendidas contra Israel durante este tempo, que serviram como oportunidades importantes para aqueles cuja meta é o deslegitimização e o isolamento do estado judeu. A morte de Muhammad al-Dura, de doze anos, nas primeiras semanas da segunda Intifada foi uma primeira salva de tiros e a que definiu tudo. Al-Dura foi morto em um fogo cruzado em Gaza, entre soldados das FDI e palestinos que abriram fogo em suas posições. Um operador cinematográfico palestino, que trabalhava para o canal de notícias francês France 2, capturou o fogo cruzado em um filme, e este vídeo foi editado pelo canal France 2 e então foi liberado, sem custo, para outras organizações de mídia, acompanhado pela declaração de que as FDI não apenas tinham matado al-Dura, como o tinham feito intencionalmente. Como os repórteres do France 2 souberam disto? Eles não souberam. Suas alegações eram baseadas na declaração de um homem, o operador de câmera, que não poderia ter sabido de quem foram as balas que de fato atingiram Al-Dura, muito menos se ele foi mirado intencionalmente. Não surpreendentemente, Al-Dura foi enterrado antes que uma autópsia, remoção de balas, ou testes de balística pudessem ser realizados.

Também não foi surpreendente a maneira com que Israel lidou com a crise. As próprias FDI, tendo conduzido uma investigação apenas superficial, anunciou que era "provavelmente responsável" pela morte. A Anistia Internacional culpou Israel também, dando um imprimatur (aval) de objetividade às acusações palestinas e francesas. Em grande parte devido ao sensacionalismo cinematográfico do incidente, imagens de Al-Dura morto foram apoderadas pelo mundo árabe e pelas mídias européias para usá-las como ícones da situação dos palestinos enquanto vítimas da crueldade israelense, como verdades destiladas que revelam todo o caráter do conflito árabe-israelense em um momento único, congelado. Governos por todo o Oriente Médio atiçaram a crise, emitindo selos postais, encomendando poemas e canções, e renomeando estradas em homenagem a Al-Dura. Até mesmo Osama Bin Laden reconheceu uma oportunidade para contribuir com a firestorm ( N.T. chamas de grande intensidade que se espalham rapidamente devido a fortes ventos), advertindo, um mês depois dos ataques de 11/9, que "Bush não deve esquecer-se da imagem de Muhammad Al-Dura". Investigações subseqüentes mostraram que o vídeo cuidadosamente editado da France 2 era completamente inconclusivo, que Al-Dura não poderia ter sido atingido por disparos israelenses, e que, como tantos incidentes que se seguiriam, a história mobilizadora de sua morte era, na realidade, uma fabricação diabólica, planejada para ser mais um ataque com artilharia pesada na guerra maior para destruir a reputação moral de Israel e das FDI.

Menos de dois anos depois, Israel encontrou-se mais uma vez objeto de um "Dois Minutos de Ódio Orweliano" ( N.T. período no qual os membros do partido assistiam a um filme, mostrando seus inimigos, e expressavam seu ódio contra eles, no livro 1984 de George Orwell), baseado em outra atrocidade inventada, desta vez na cidade de Jenin, em Samária. Em plena Intifada, durante a Operação Escudo Defensivo, tropas das FDI entraram em uma parte de Jenin para livrá-la de terroristas, que eram responsáveis por enviar um número desproporcional de homens-bomba suicidas para Israel. Seguiram-se intensas batalhas casa a casa. Mais de cinqüenta residências haviam sido equipadas com explosivos, e enquanto a tática óbvia teria sido seguir recentes exemplos usados por outros exércitos ocidentais, que lutam na Somália, Bósnia, e Afeganistão, e usar artilharia ou ataques aéreos para neutralizar a ameaça, as FDI escolheram, ao invés, continuar com forças terrestres--às custas das vidas de vinte e três de seus soldados de infantaria--tudo para minimizar as vítimas civis palestinas. Foram mortos cinqüenta e dois palestinos, e quase todos eram combatentes armados. (Para uma análise detalhada da batalha, ver Yagil Henkin, "Guerra Urbana e as Lições de Jenin", Azure No.15, Verão de 2003). Mas, com relação ao resultado da batalha, nenhum destes fatos foi considerado minimamente relevante pela mídia ou pelas autoridades oficiais internacionais.

Em suas excursões no campo de batalha para repórteres,
o Hezbollah foi longe, chegando a ponto de fabricar
tiroteios em ambulâncias, já que aparentemente a
compensação por usar estes veículos como acessórios
de produção para a imprensa internacional era
preferível do que usá-los para ajudar feridos libaneses.

A narrativa do que aconteceu em Jenin já havia sido decidida, e exigia histórias de matança em massa e crimes de guerra. A agência oficial de notícias palestina declarou que o "massacre do século XXI" tinha sido perpetrado. O enviado da ONU para o Oriente Médio, Terje Roed-Larsen, descreveu Jenin como "mais horripilante do que se poderia acreditar", e concluiu que "Israel perdeu toda a base moral neste conflito". Derrick Pounder, um "perito forense" da Anistia Internacional, comentou, ao entrar em Jenin, que "as evidências diante de nós, no momento, não nos levam a crer que as alegações possam não ser verdadeiras e, portanto, há um grande número de civis mortos debaixo destas ruínas demolidas bombardeadas que nós vemos." Nos EUA, a National Public Radio, a CNN, e o jornal The Los Angeles Times repetiram incansavelmente histórias de atrocidades, e no New York Times, o ex-presidente Jimmy Carter acusou Israel de "destruir" Jenin "e outros povoados". Na Inglaterra, a imprensa era a mais gratuita. "O doce e horrível cheiro desagradável de corpos humanos apodrecidos está em todos lugares, provando que é uma tumba humana", despejou Phil Reeves no Independent. "As pessoas dizem que há centenas de cadáveres, sepultados sob o pó". David Blair do Daily Telegraph informou que tropas das FDI executaram sumariamente nove homens, que foram despidos e ficaram apenas com suas roupas íntimas, "colocados contra um muro e executados com simples tiros na cabeça".

No final das contas, o único massacre que foi cometido foi conduzido pela ONU, pelas organizações de ajuda internacionais, e pela imprensa internacional - um massacre da verdade, que foi planejado, exatamente como o enviado da ONU declarou tão presunçosamente, para destruir a reputação moral de Israel em sua luta contra a ofensiva terrorista palestina. Mais recentemente, ocorreu o caso da segunda Guerra do Líbano, cujos resultados inesperados concentraram a atenção israelense em falhas militares e políticas. Esta autocrítica ignorou em grande parte uma terceira falha, isto é, a facilidade com que Israel foi derrotado uma vez mais na mídia. Dentro dos primeiros dias do começo da guerra, e sem uma coordenação consciente, os inimigos de Israel começaram a debilitar a autodefesa israelense: Kofi Annan anunciou, sem uma prova que fosse, que Israel tinha intencionalmente assassinado quatro membros da UNIFIL; grupos de direitos humanos como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch (HRW) produziram rapidamente montes de relatórios condenando o esforço de guerra de Israel, alegando crimes de guerra, e ignorando primariamente o Hezbollah (Kenneth Roth, o diretor executivo da HRW, acusou Israel de empreender "guerra indiscriminada" e acrescentou, sem qualquer comprovação confiável, que "Em alguns casos, forças israelenses pareceram ter mirado deliberadamente em civis"); e os jornalistas inundaram a área com a cobertura das vítimas civis libanesas, produzindo falsos relatórios sobre os bombardeios de Qana, fotografias adulteradas, e histórias para os noticiários que foram organizadas e dirigidas pelo Hezbollah. Em suas excursões no campo de batalha para repórteres, o Hezbollah foi longe, chegando a ponto de fabricar tiroteios em ambulâncias, já que aparentemente a compensação por usar estes veículos como acessórios de produção para a imprensa internacional era preferível do que usá-los para ajudar feridos libaneses.

A resposta israelense para as calúnias, tão previsivelmente lançadas em sua direção, foi algumas vezes competente, mas com freqüência demais recorreu a táticas familiares e autodestrutivas: desculpas gratuitas e autocrítica, servilidade em face a jornalistas hostis, e uma incapacidade para fazer sua defesa básica de que as vítimas civis libanesas eram uma das metas centrais do Hezbollah no conflito, precisamente por causa de seu valor de propaganda. Incrivelmente, depois do bombardeio em Qana, Israel prometeu suspender suas operações aéreas por 48 horas, um gesto para seus inimigos e aliados também, que, nos níveis mais elevados de governo lá, inflamou uma profunda ambivalência sobre o esforço de guerra.

Lá pelo meio do conflito, a narrativa da guerra tinha sido distorcida, mudando de uma na qual Israel estava se defendendo do ataque de uma organização terrorista apoiada pelo Irã para uma na qual Israel estava, mais uma vez, matando civis com selvageria. Uma pesquisa feita pelo Centro Shorenstein de Universidade de Harvard achou que das 117 histórias que a BBC publicou durante o conflito, 38% identificaram Israel como o agressor, enquanto só 4% identificaram o Hezbollah como tal. Como Marvin Kalb de Harvard informou em um estudo recente, "Nas primeiras páginas do New York Times e do Washington Post, Israel foi retratado como o agressor quase duas vezes mais freqüentemente nas manchetes e exatamente três vezes mais freqüentemente nas fotografias".

O padrão revelado por estes eventos mostra um registro perturbador do fracasso israelense, mas sugere também um curso de ação corretiva. Em qualquer crise, seja Al-Dura, Jenin, Líbano, ou a explosão na praia de Gaza, a resposta israelense se caracterizou pelos mesmos erros graves: uma presunção espontânea de culpa; desculpas antecipadas, autocrítica desnecessária, promessas de investigação, e suspensão da ação militar; um tratamento irresoluto para exatamente o tipo de acusações incendiárias que requerem uma resposta enérgica e consistente; a afirmação de inocência somente depois que a tempestade da mídia tenha passado; e finalmente, a recusa em fazer uma ofensiva, retoricamente ou de outro modo, contra os indivíduos e organizações que fizeram a calúnia contra Israel se tornar um esporte tão vergonhosamente fácil.

Várias reformas, conceituais e estruturais, são imperativas. A primeira é a respeito da Unidade do Porta-voz das FDI, o pequeno grupo dentro do exército israelense que se encarrega das relações com a mídia. Em tempos de guerra, seus soldados civis são sobrecarregados pela pesada responsabilidade de explicar ações militares israelenses para o mundo. Mais do que qualquer outro, a Unidade do Porta-voz tem uma necessidade desesperada de expansão e melhoria. Tem que se tornar uma das unidades mais de elite nas FDI, proativa, criativa, e agressiva - em outras palavras, estar à altura dos igualmente determinados inimigos de Israel. Um gabinete filial deveria ser criado em Jerusalém, onde um grande contingente de grupos da imprensa estrangeira fica situado, para estimular o cultivo das relações com jornalistas. Seu quadro de pessoal deveria ser reestruturado para se compor de profissionais que tenham vasta experiência em mídia, jornalismo, e relações públicas. Atualmente, a unidade é, em grande parte, composta de jovens recrutas e reservistas mais velhos que, para falar francamente, estão simplesmente fora de suas competências. A nova Unidade de Porta-voz tem que incluir uma força-tarefa dedicada a agressivamente - e muito publicamente - ir desmascarando a cobertura de mídia falsa e parcial. Finalmente, deveria ser criado um gabinete de conexão, de modo a coordenar a estratégia de mídia e as mensagens entre as FDI e o governo, com o objetivo de construir uma estratégia de comunicações única para complementar toda operação militar importante.

Os estrategistas israelenses e os porta-vozes têm que passar a entender a imensa influência do simbolismo, do teatro, e da
repetição de historietas definidas na guerra moderna. Isto significa
que os planejadores de guerra israelenses têm que considerar
o papel desempenhado por estas ONGs e organizações
de notícias empenhados em deliberar falsas informações.

Para que estas mudanças deixem sua marca, o próprio governo israelense tem que adotar um processo de comunicações mais disciplinado. Hoje, Israel não tem nenhuma infra-estrutura de comunicações unificada; cada ministério de estado e seção das FDI oferecem seu próprio porta-voz à imprensa, e o resultado é uma anarquia de declarações e mensagens, que freqüentemente deixam Israel na defensiva e parecendo ser culpado diante de acusações irrefutáveis. No nível conceitual, os estrategistas israelenses e os porta-vozes têm que passar a entender a imensa influência do simbolismo, do teatro, e da repetição de historietas definidas na guerra moderna. Isto significa que os planejadores de guerra israelenses têm que considerar o papel desempenhado por estas ONGs e organizações de notícias empenhados em deliberar falsas informações. Estes agentes já não podem ser agrupados conceitualmente como terceiros ou observadores neutros durante os conflitos; eles estão profundamente implicados na própria guerra, e como partes de um conflito, sua presença deve ser tratada com a máxima seriedade.

Por mais de um ano, as FDI têm conduzido ataques aéreos em Gaza, que são destinados a impedir o disparo de foguetes Kassam para Israel, e porque o Hamas e os terroristas da Jihad Islâmica operam intencionalmente entre civis, estes ataques invariavelmente matam passantes não envolvidos e criam histórias de notícias prejudiciais. Seria extraordinariamente fácil para o primeiro-ministro, por exemplo, dar uma coletiva de imprensa em Sderot na frente a uma escola destruída por disparos de foguetes palestinos e explicar para as câmeras que, enquanto Israel está atacando o Hamas para proteger as vidas das crianças israelenses, o Hamas está enviando suas crianças em missões suicidas para operar exatamente esses mesmos dispositivos de lançamento de foguetes. Toda vez, depois disso, que Israel atacar terroristas em Gaza, o porta-voz israelense poderia martelar nesta tecla, condenando o fato de o Hamas usar crianças em ataques terroristas. Repetindo freqüente e vigorosamente o bastante, o ocidental comum pode não estar muito inspirado a gostar de Israel, mas pelo menos ele começará a entender a natureza de sua luta--e a realidade macabra da "resistência" palestina.

Finalmente, já passou muito da hora para que Israel faça uma ofensiva contra o que existe de pior em termos de jornalistas, ativistas, e empregados de ONGs, que fizeram de operar no estado judeu, sob falsos pretextos, uma pequena indústria. Mais perturbadora do que a cobertura fraudulenta de Al-Dura, Jenin, Líbano, e da explosão na praia de Gaza é o fato de que Israel não fez nada para punir aqueles que tão avidamente participaram na disseminação de propaganda enganosa. Os jornalistas que escreveram fabricações sensacionalistas de um massacre israelense em Jenin, mantiveram suas credenciais de imprensa, e os escritórios das organizações de divulgação de notícias para as quais eles trabalhavam permaneceram abertos. Da mesma forma, os ativistas de direitos humanos e ONGs, que proporcionaram aos jornalistas e à ONU suas indecentes camuflagens de falsa objetividade, coerentemente mantiveram seus vistos de trabalho. Ao se recusar a responsabilizar esta galeria de ofensores repetitivos malévolos, Israel só consegue incentivar as ambições daqueles que fizeram carreiras trabalhando para destruir Israel, operando dentro de suas próprias fronteiras. Israel deveria expelir jornalistas simplesmente com base em uma cobertura negativa? Absolutamente não; a liberdade para criticar permanece a essência do debate democrático. Mas há uma diferença fundamental entre crítica e difamação, e o governo israelense não deveria pedir quaisquer desculpas por se recusar a fazer de seu país um porto seguro para ativistas sem escrúpulos mascarados de repórteres.

No coração dos problemas de organização e disciplina que são tão prevalecentes no fracasso de Israel em focalizar seu problema de imagem, há, no final das contas, um fracasso conceitual: a incapacidade de reconhecer as mudanças na natureza da guerra moderna. Em nossa era de comunicação global e da influência desproporcional de fotografias e vídeos facilmente manipuláveis, um novo teatro de guerra foi criado, um teatro no qual a batalha não é travada em um território ou contra exércitos e terroristas. A batalha ocorre em cima de imagens, narrativas, e convicções, e as táticas e estratégias exigidas para lutá-la guardam pouca semelhança com a guerra convencional. O que está em jogo para Israel é de longe maior do que as repercussões de uma crise particular; o que está pendente, em suspenso, é a posição estratégica de Israel entre nações democráticas; sua capacidade de manter seu próprio senso de clareza moral e confiança nacional contra seus inimigos; a perseverança do sionismo como o ethos (caráter distinto de um povo) inspirador do estado judeu; e o cumprimento da aspiração central de criar um país no qual os judeus não se sintam mais intimidados pelos seus agressores Israel não pode mudar seus inimigos, mas tem que mudar a forma como os combate.

Tradução: Irene Walda Heynemann



--
Magal
Visite www.correioregional.com

Língua e Literatura Hebraica Especialização ano 2008 Faculdade de Letras UFRJ


 

Língua e Literatura Hebraica

Especialização ano 2008

 

A Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ oferecerá no ano letivo de 2008, o curso de especialização em Língua e Literatura Hebraica.

 

1. Justificativa e Objetivos: 

O curso tem por objetivo  o   aperfeiçoamento e aprofundamento de questões relativas à língua hebraica (gramática, práticas de leitura e ensino), criar um espaço para reflexão crítica e produção de pesquisas   nesta  área de estudos    com a complementação em literatura hebraica e cultura judaica. Torna-se necessário um curso de tal porte para qualificar os profissionais, que atuam com ensino e pesquisa nessa área. Destacamos o caráter inédito da iniciativa sem similar no Estado do Rio de Janeiro.

 

2. Público-alvo:

Portadores de diploma de curso superior (bacharelado e/ou licenciatura) em Letras ou áreas afins bem como outras áreas, mas possuidores de conhecimento de língua hebraica condizente à absorção do programa do curso.

 

3. Pré- requisitos:

a) diploma de curso superior;

b) proficiência em língua hebraica (gramática e leitura).

 

4. Critérios de seleção:

a) avaliação escrita de proficiência em língua hebraica;

b) análise curricular e entrevista com o candidato.

 

ATENÇÃO: As atividades de avaliação serão divulgadas oportunamente aos candidatos no ato da inscrição.

 

5. Duração:

a) duração do curso: 02 semestres

b) carga horária: 360 horas

c) ano letivo: 2008

 

6. Dias – Horários – Local:

a) dias: 2ª e 4ª feiras;

b) horários: das 12:00h. às 17h; 

c) local: O Curso será ministrado na Faculdade de Letras da UFRJ (Cidade Universitária, Ilha do Fundão) - Links:  < http://www.letras.ufrj> e < http://www.letras.ufrj.br/posgraduacao>.

 

7. Inscrições:

As inscrições serão realizadas (provavelmente – a confirmar) em fevereiro de 2008 no horário das 10h às 15h, na Secretaria da Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ - Av. Brigadeiro Trompowski, s/n. 3 0 andar – Bloco F – Cidade Universitária – Rio de Janeiro.

Informações pelos telefones: (21) 2598-9745 e (21) 2598-9746 (Pós-Graduação da FL/UFRJ).

 

IMPORTANTE: Mantenha-se informado sobre o período de inscrição e a documentação necessária.

 

8. Corpo Docente:

8.1. Prof. Dr. Leopoldo Osório Carvalho de Oliveira (Coordenador);

8.2. Prof. Me. Henrique Samet;

8.3. Profa. Dra. Miriam Lemle.

 

9. Estrutura do curso:  O curso é estruturado em seis (6) disciplinas, com oferecimento de três (3) disciplinas por semestre.

9.1. Tópicos em Morfologia Verbal

9.2. Tópicos em Morfossintaxe

9.3. Tópicos em Sintaxe Oracional

9.4. Estratégias Discursivas e Textuais para o Ensino de Hebraico

9.5. Tópicos em Literatura Hebraica

9.6. Tópicos em Cultura Judaica

 



--
Magal
Visite www.correioregional.com

Coisas Judaicas

 

 

 

Kaká doa prêmio
a hospital israelense

 

Eleito o melhor jogador do "Campeonato Mundial de Clubes da Fifa", Ricardo Izecson dos Santos Leite, o Kaká, decidiu doar o prêmio de R$ 330 mil ao Hospital Sagrada Família, localizado na cidade de Nazaré, em Israel. No dia seguinte, o jogador recebeu a "Bola de Ouro" de melhor jogador de futebol do ano.

 

 
 
 
 
 
 
_____________________________________________________________

Jovens de mais de 50 países
participarão de evento
sobre o Holocausto

Agraciado este ano com o "Prêmio Príncipe de Astúrias da Concórdia", o Museu do Holocausto (Yad Vashem) de Jerusalém vai receber jovens de mais de 50 países entre os dias 27 a 29 de janeiro para analisar o massacre nazista de seis milhões de judeus. Os participantes visitarão o museu, participarão de oficinas e conhecerão testemunhos de sobreviventes da Shoah (Holocausto).

De acordo com o responsável pelo Departamento de Relações com a Imprensa, Estee Yaari, este evento é o "primeiro no mundo com esta amplitude. Falar do Holocausto continua tendo importância 60 anos depois, porque se refere a valores universais. Trata-se de aprender com o que aconteceu, ao invés de relembrar como algo aterrorizante" .

_______________________________________________

Tramas do Dr. Aranha

Laura Greenhalgh, jornalista

Abraham Cheinfeld dá as boas-vindas em nome da comunidade. Depois, café, suco e bolacha para os visitantes que vieram de longe até o Bror Chail, um kibutz à entrada do deserto de Negev, em Israel, onde se fala português, curte-se roda de samba, joga-se futebol à moda Ronaldinho e, vez por outra, acorda-se ao som de bombardeio árabe. "Sempre foi assim", suspira Abraham, 70 anos, pioneiro entre os 180 moradores do assentamento fundado por egípcios em 1948 e assumido pouco depois por brasileiros de origem judaica. Abraham fala de uma história erguida da estaca zero - desde o mutirão das primeiras casas, a semeadura dos campos de trigo, o início da criação de gado leiteiro, a formação dos pomares, enfim, a montagem de uma fazenda-modelo cuja produção era repartida pela comunidade. Hoje, Bror Chail virou agroindústria. Vende o que produz, além de faturar com uma fábrica de pizza e uma empresa de softwares. "Privatizaram o kibutz", admite Abraham. Perdeu-se, quase que por completo, o modelo socialista implantado no passado, segundo o qual todos contribuem com o que podem e recebem o que necessitam.
Abraham puxa o grupo de estrangeiros para uma saleta com bandeiras e fotografias na parede. Dentro de uma estante com tampo de vidro, documentos e um martelo de madeira. Então começa a falar do patrono do kibutz, o homem que um dia bateu aquele martelo na ONU, numa sessão histórica: Oswaldo Aranha, gaúcho de Alegrete, advogado, ministro de Vargas, embaixador do Brasil nos EUA, chanceler, que chegou ao mais alto posto ocupado por um brasileiro na ONU, "eterno" candidato à Presidência da República (sem nunca tê-lo sido de fato), indicado ao Nobel da Paz de 1948 (ano em que não se outorgou o prêmio). Enquanto revisitam o passado, três discretos parentes do diplomata brasileiro são alvo de fotógrafos e cinegrafistas. Abraham continua. Lembra de outros diplomatas latino-americanos (cujos parentes assistem à mesma cerimônia), também importantes na elaboração do plano de partilha da Palestina, em 1947. Mas Aranha foi decisivo, ressalva. Alguém resmunga em espanhol: "por que gastar duas horas visitando um martelo?"

Esse homem presidiu a Assembléia em um tempo de paz incerta
e homens incomuns - Churchill, Stalin, Ben Gurion, Trumann

Não faz muito tempo Mahmud Ahmadinejad, presidente do Irã, sustentou que Israel deveria sumir do mapa e o sionismo é uma identidade do Satã. Na mesma batida, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou que "os descendentes dos que assassinaram Cristo agora querem o ouro do planeta". Ainda que as declarações repisem o tom ameaçador com o qual tanto Ahamadinejad quanto Chávez desafiam Israel, principal aliado dos EUA no Oriente Médio, elas calam fundo. A diplomacia israelense não crava, mas nove entre dez analistas de política internacional juram que a recente "Conferência de Annapolis", nos EUA, convocada por Bush sob pretexto de reabrir o processo de paz entre árabes e israelenses, teve por finalidade específica acuar a retórica iraniana. Quanto a Chávez, a diplomacia israelense até crava: algum gesto público deveria ser feito para esvaziar o discurso anti-semita do venezuelano.
O gesto público veio na forma de uma homenagem a quatro diplomatas latino-americanos que, em 1947, estiveram à frente das negociações na ONU para aprovar a Resolução 181, estabelecendo a divisão da Palestina entre árabes e judeus, ao fim da tutela britânica na região: Enrique Fabregat, do Uruguai, Jorge García Granados, da Guatemala, Arturo García Salazar, do Peru, e Oswaldo Aranha, do Brasil, todos falecidos. Familiares dos diplomatas foram convidados a participar de uma programação intensa, que incluiu de inauguração de praça a sessão solene no Parlamento israelense, a Knesset, com a presença de Ehud Olmert e Shimon Peres. Como ressaltaria Itzhak Navon, quinto presidente do país, "o povo judeu não pode se esquecer da memória". O kibutz Bror Chail mudou muito. O mundo, idem. Mas o martelo está lá, doado pela família Aranha - o que só parcialmente responde à pergunta da incomodada senhora da delegação guatemalteca.
Em 29 de novembro de 1947, a partilha da Palestina foi aprovada na 49ª Sessão da 2ª Assembléia-Geral da ONU, sob a presidência do diplomata brasileiro, com o seguinte placar: 33 votos a favor, 13 contra e 10 abstenções. Foi o fim de um processo febril de negociações. E o começo de uma era sem fim de confrontos. O projeto sionista de uma pátria para os judeus ganharia ali legitimidade internacional, o que levou à criação do Estado de Israel no ano seguinte. Meses antes da partilha, porém, formou-se um grupo nas Nações Unidas - o Unscop, United Nations Special Committee on Palestine - para estudar a divisão. Fabregat, García Granados e García Salazar atuaram nele, inclusive trabalhando ao lado dos judeus num alojamento ainda hoje preservado num bairro residencial de Jerusalém. Oswaldo Aranha, não. Recebeu a proposta nos EUA, aparou divergências e levou-a a votação - para vencer.
Era um pró-partilha. Até hoje se diz que construiu a vitória pressionando delegados da assembléia. "Não, ele advogou a favor de uma maioria e conduziu os trabalhos de forma processual", opina o ex-embaixador Rubens Ricupero, com a experiência de ter estado na ONU por anos, como secretário-geral da Unctad. "Foi eficiente justamente por ter sido processual no meio da confusão", argumenta o ex-chanceler brasileiro Celso Lafer. "Era de uma inteligência poderosa e hoje estou convencido de que estudou muito para advogar a partilha" . Assim como poucos sabem que a tradição de o Brasil abrir a Assembléia-Geral da ONU se deve à passagem de Aranha por lá, também poucos imaginam por que, afinal de contas, esse homem presidiu a assembléia em um tempo de paz incerta e homens incomuns - Churchill, Stalin, Ben Gurion, Trumann.
Os 60 anos da Resolução 181 trazem de volta uma figura singular da política brasileira. Em 1947, Aranha já dispunha de uma biografia de estadista: fora um dos articuladores da Revolução de 30; ministro da Justiça (quando criou a OAB e reformulou o Supremo); ministro da Fazenda e negociador da dívida externa no governo provisório; embaixador nos EUA de 1934 a 37, deixando o cargo por rejeitar o Estado Novo; voltou ao governo no ano seguinte como chanceler; foi atacado por Goebbels, chefe da propaganda nazista ( "o sr. Aranha faz o possível para criar caso com o Reich"); construiu a posição brasileira na 2ª Guerra em favor dos aliados; e de novo saiu do governo em 1944, depois que Filinto Müller, chefão da polícia getulista, fechou a Sociedade Amigos da América, da qual era presidente. Para Lafer, Aranha chegou à ONU com uma densidade política que os diplomatas de carreira não têm. Teve uma relação ambígua com Vargas, gaúcho como ele, e uma antipatia sem disfarces em relação a Dutra, eleito presidente em 1945. Fora do jogo político, resolveu advogar. E colecionar cavalos de raça.

"Era o homem certo, no lugar certo"

"Ele surge como líder mundial só depois da reunião de Cleveland", lembra Ricupero. "Sim, mas já era conhecido nos EUA" , diz Luiz Aranha Corrêa do Lago, neto e biógrafo de Aranha. Antes de entender Cleveland, parênteses: em 1934, quando apresentou as credenciais de embaixador ao presidente Roosevelt, de quem se tornaria amigo, falou em francês para não exibir o inglês rudimentar. Em seguida viajaria pela América com um professor a tiracolo, querendo dominar o idioma. Em janeiro de 1947, quando foi a Cleveland convidado pela revista "Time", para participar da reunião anual do Council on World Affairs, - encontro de notáveis para repensar o mundo do pós-guerra - já tinha fama de tribuno nos EUA. "O povo que desintegrou o átomo tem agora a missão de integrar a humanidade", sapecou no discurso, chamando a atenção de Henry Luce, o poderoso editor da "Time" (em 1942, Aranha havia sido capa da revista como promotor da articulação pan-americana contra o Eixo).
Depois do êxito em Cleveland, veio a mão do destino. Morre o representante do Brasil na ONU, Dutra não tem outro nome para subsituí-lo no momento em que o Brasil assumiria a presidência do Conselho de Segurança, pelo sistema rotativo. Dutra engole em seco e nomeia Aranha. "Meu avô hesitou, falou com a família, mas aceitou a missão. Sua presença no conselho fez com que fosse eleito presidente da Assembléia Especial para a Palestina, em abril de 1947. Trabalhou tão bem que o elegeram presidente da 2ª Assembléia-Geral, quando então aprovou a partilha. Uma atuação foi puxando a outra, porque ele estava lá nos EUA. Era o homem certo, no lugar certo, no momento certo" , explica o neto.
Há concordância quanto à personalidade: homem sedutor, ouvia os interlocutores, tinha espírito de conciliação. A socióloga Aspásia Camargo, vereadora pelo PV do Rio e autora de uma das biografias de Aranha, disse esta semana ao Aliás: "A ousadia dele incomodava. Tinha intimidade com o mundo certamente por ter podido estudar na Europa muito jovem, lidando até com a 1ª Guerra de um ponto de vista além-fronteiras". Nahum Sirotsky, um dos primeiros jornalistas brasileiros credenciados na ONU, entrega outra faceta: "Bonitão, sempre com aquele cigarro no canto da boca, ah, as mulheres ficavam loucas..." No livro "Personal Witness", o diplomata e escritor israelense Abba Eban, contemporâneo de Aranha na ONU, refere-se a ele como "um homem com fervor quase religioso pela idéia de criar o Estado judeu". No lado oposto, seria visto como um americanófilo ardiloso. Camille Chamoun, outro contemporâneo e futuro presidente do Líbano, colocou-o no centro de "um sistema tirânico de abordar delegações em quartos de hotel e corredores, ameaçá-las com sanções econômicas ou dar propinas".

Oswaldo Aranha é nome de rua em Jerusalém. Uma cidade que
nunca chegou a conhecer, em um país que ajudou a fundar

Naquele complicado 1947, a posteridade acenou para Aranha dificultando-lhe o caminho: ele chegara à presidência da Assembléia-Geral sem o entusiasmo do governo brasileiro, que preferia uma vaga no Conselho Econômico e Social; sabia que Truman apoiava a partilha, ao contrário de boa parte do Departamento de Estado; os judeus contariam com o voto dos soviéticos, interessados em solapar o imperialismo britânico, mas os ingleses continuariam a jogar a carta árabe; e a Guerra Fria mal começara. O lobby sionista se desdobrou. Árabes tentaram adiar a votação, jogando-a para um futuro incerto. Aranha impediu a manobra, ainda sem a certeza da vitória. Em 27 de novembro, diante de uma assembléia exausta, perguntou: "Senhores, é justo que num feriado nacional, Dia de Ação de Graças, ocupemos o staff americano com uma votação que pode ser perfeitamente adiada para o dia 29?" Liberou o plenário. Na verdade, conseguiu ganhar tempo para as últimas negociações, indo para a votação certo do resultado. Assim bateu o martelo que Abraham guarda no kibutz.
Retornando ao Brasil, foi de novo ministro da Fazenda. Mas, com o suicídio de Vargas, de novo se refugiou na advocacia. Em 1957, a convite de JK, de novo chefiou a delegação brasileira na ONU. Aproximou-se de novo de Luís Carlos Prestes, líder do PCB, reatando um elo do passado, o que levou a "Time", mais uma vez, a falar dele. Estaria se "esquerdizando". Cortejado pelo PTB para ser vice na chapa do marechal Lott, candidato à presidência, recusou: "A essa altura da vida não quero mais ser segundo de ninguém". Morreu em janeiro de 1960, aos 65 anos, do coração. Além de patrono de kibutz, Oswaldo Aranha é nome de rua em Jerusalém. Uma cidade que nunca chegou a conhecer, em um país que ajudou a fundar.

Publicado em O Estado de São Paulo

________________________________________________________________________________ 

De 08 a 16 de janeiro de 2008 o presidente dos EUA, George W. Bush, visitará Israel, Cisjordânia, Kuwait, Bahrein, Emirados Árabes, Egito e Arábia Saudita a fim de ajudar promover a retomada do processo de paz na região.


O Brasil participou da "Conferência internacional de doadores para a Palestina" e anunciou que doará US$ 3 milhões para o plano trienal proposto pela Autoridade Nacional Palestina, além de fornecer cooperação técnica.

______________________________________________________________

Pela primeira vez na história a Argentina tem uma mulher como presidente eleita pelo voto popular. Trata-se de Cristina Fernandez de Kirchner. O presidente do Congresso Judaico Latino-americano, Jack Terpins, junto com seu diretor, Claudio Epelman, estiveram presentes nos diferentes eventos que se realizaram em homenagem à nova presidente: participaram do jantar de gala realizado no Palacio San Martin, jantar este em homenagem aos diplomatas estrangeiros que vieram ao país para a cerimônia de posse. Entre os presentes, destacaram-se os presidentes Lula, Hugo Chavez, Evo Morales, Rafael Correa e Michelle Bachelet, entre outros. Na ocasião, saudaram o ex-presidente Néstor Kirchner, a quem expressaram um grande reconhecimento pela tarefa realizada na recuperação da Argentina, destacando o impulso dado à investigação do atentado à AMIA e aos esforços do governo em relembrar o Holocausto. Depois estiveram na cerimônia de posse de Cristina Kirchner no Congreso de la Nación, junto às máximas autoridades nacionais e estrangeiras que viajaram ao país para a ocasião.

____________________________________________

 

Dia 09 de janeiro de 2008, às 19:30h – A ASA exibe documentários sobre temas contemporâneos, seguido de comentados do professor de História Rubim Aquino. Tema: "Guerra do gás", sobre os antecedentes sociais, políticos e econômicos que resultaram na eleição de Evo Morales, na Bolívia. Entrada franca. Informações: 2535-1808.

________________________________________________________

CALENDÁRIO JUDAICO - 2008

Tu-Bishvat – 22 de janeiro
Purim – 21 de março
Pessach – 19 e 20 de abril
Yom Hashoá – 01 de maio
Yom Hazicaron – 07 de maio
Yom Haatzmaut – 08 de maio
Lag Baômer – 23 de maio
Yom Yerushalaim – 02 de junho
Véspera de Shavout – 08 de junho
Shavout – 09 e 10 de junho
Tishá-Beav – 10 de agosto
Véspera de Rosh-Hashaná – 29 de setembro
Rosh Hashaná – 30 setembro e 01 de outubro
Véspera de Yom Kipur – 08 de outubro
Yom Kipur – 09 de outubro
Sucot – 14 e 15 de outubro
Simchat Torá – 22 de outubro
Chanuká – 22 a 29 de dezembro

Estadão de hoje- Giles Lapouge

 

 
Enquanto a guerra persistir, será inútil escoar recursos para Gaza e Cisjordânia

Gilles Lapouge*

As finanças palestinas estão no fundo do poço e os doadores pretendem verter para dentro dele toneladas de dinheiro. Os US$ 5,6 bi pedidos são uma soma gigantesca e uma gota d' água. De todo o planeta, o povo palestino é o que recebe as maiores ajudas. Mas apesar dessas enormes somas, sua economia está à beira da catástrofe.

Esse marasmo pode ser explicado de várias maneiras. Um dos problemas é que o Exército israelense sufoca todos os esforços palestinos. Os postos de controle multiplicam-se na Cisjordânia. Em Gaza, em nome da segurança, impõe-se um bloqueio feroz. E como os integrantes do Hamas teimam em disparar foguetes contra Israel, a chance de romper esse ciclo infernal é mínima.

As autoridades palestinas, nos últimos sete anos, têm direcionado a ajuda não para a produção, mas para o setor público. O povo palestino transformou-se numa sociedade de funcionários públicos. Se é verdade que isso permite aos palestinos sobreviverem, a economia, em compensação, só pode ser arruinada.

Não existe muita perspectiva de melhora. Apesar das promessas da recente reunião de cúpula em Annapolis, nos EUA, para a criação de um Estado palestino antes do final de 2008, Israel continua desconfiado e não tem intenção de aliviar a pressão. Em Gaza, Israel ameaça cortar o fornecimento de eletricidade. Um desastre programado.

E a disputa entre Israel e palestinos é agravada por um segundo confronto, entre os próprios palestinos. As terras palestinas são divididas em duas regiões: a Cisjordânia, administrada pelo Fatah de Mahmud Abbas, formada por políticos moderados que aceitam negociar com Israel; e Gaza, que caiu nas mãos dos extremistas do Hamas, que sonham apagar Israel do mapa.

O perigo é que a ajuda internacional beneficie mais o Fatah do que o frenético Hamas - o que reforçará a posição dos setores mais violentos desse movimento. Isso já ocorre e explica a miséria de Gaza, onde a taxa de desemprego é de 35% contra 18% na Cisjordânia. O índice de pobreza extrema na Cisjordânia chega a 13%; em Gaza, é de 35%.

O Banco Mundial alertou novamente que é inútil escoar tanto dinheiro se os palestinos permanecerem em guerra consigo mesmos e se Israel continuar paralisando qualquer movimento. Esse discurso, porém, não é ouvido em Jerusalém.

* Gilles Lapouge é correspondente em Paris

http://www.estado.com.br/editorias/2007/12/18/int-1.93.9.20071218.7.1.xml





--
Magal
Visite www.correioregional.com

Férias de janeiro em Israel

 

 


 

 

 

Visite www.correioregional.com

O mês de Tevêt




 
 
 

 

Segundo o Sêfer Yetzirá, cada mês do ano judaico tem uma letra do alfabeto hebraico, um signo do Zodíaco, uma das doze tribos de Israel, um sentido e um membro controlador do corpo que correspondem a ele.

Tevêt é o décimo dos doze meses do calendário judaico.

Tevêt começa com o "período" (tekufá) do inverno (cujos três meses – Tevêt, Shevat e Adar – correspondem às três tribos do acampamento de Dan – Dan, Asher e Naftali – situadas no lado norte do acampamento).

Tevêt começa com os últimos dias de Chanucá (que tem seu ponto culminante no oitavo dia – Zot Chanucá). Seu décimo dia – o décimo dia do décimo mês ("o décimo será sagrado para D'us") – é um dia de jejum, em comemoração ao cerco de Jerusalém, o início da destruição do Templo.

Os quatro dias de jejum que comemoram a destruição do Templo são (por ordem de ano): 17 de Tamuz (o 4º mês), 9 de Av (o 5º mês), 3 de Tishrei (o 7º mês), e 10 de Tevêt (o 10º mês). Destes quatro dias (em seus respectivos meses) diz o profeta: "O jejum do quarto [mês] e o jejum do quinto, e o jejum do sétimo, e o jejum do décimo [no futuro] serão para a Casa de Yehuda júbilo, felicidade e dias festivos."

A soma dos quatro números – 4, 5, 7 e 10 – é 26, o valor do inefável Nome de misericórdia de
D'us, Havayá (os quatro dias dos quatro meses são 17 [de Tamuz], 9 [de Av], 3 [de Tishrei], e 10 [de Tevêt].

17 mais 9 = 26; 3 mais 10 = 13, o valor da palavra echad ["um"].

26 e 13 são portanto o valor numérico de Havayá echad ["Havayá é um"].

26 mais 13 = 39. 26 [o valor dos meses] mais 39 [o valor dos dias] = 65 = Adnut).

Os quatro números possuem uma progressão numérica ordenada, com diferenças finitas de 1, 2, 3. Os seguintes três números na progressão – 14, 19, 25 – totalizam 58 – chen ("graça").
Juntamente com 26 – Havayá – os primeiros sete números da progressão ("todos os setes são queridos") totalizam Chanoch (cujo nome, da palavra para "educação" e "iniciação", é um acrônimo para "a graça de Havayá", a sétima ("querido") querida geração a partir de Adam.

Todos os dias de jejum, quando observados corretamente, atraem a graça Divina da suprema fonte de misericórdia, o Nome Havayá de D'us. A epítome desse processo (na ordem do ano, como nas palavras do profeta acima citado) está em Dez de Tevêt (no segredo do "fim [último dia de jejum do ano] está encravado no início [dos eventos que levam à destruição]"). Pela Divina graça, o terceiro, eterno Templo, é construído, primeiro no coração de Israel, para depois se tornar fisicamente manifesto na terra.

Letra: ayin

A letra ayin significa "olho". O mês de Tevêt é o mês da retificação e anulação do "olho mau". A própria palavra Tevêt vem de tov, "bom", referindo-se a tov ayin, "o olho bom" (a fonte de poder da bênção, como está escrito: "o olho bom abençoará"). Esta retificação começa quando eles são completados no oitavo dia).

Todo o processo destrutivo começa com o "olho mau" do ódio, o ódio do profano para com o sagrado (o segredo de dez, o número sagrado, como foi mencionado acima). Do ódio vem a ira, o fogo da destruição. A letra do meio de ka'as, "ira", é a letra ayin. O ka'as negativo deve primeiro ser retificado a seu correspondente positivo, como será explicado agora.

Mazal: "gedi" (Capricórnio – cabra)

Nossos Sábios nos ensinam que aos dez anos de idade (uma alusão ao décimo mês, o nível de dez em geral) uma criança "pula como um cabrito." (Midrash Kohêlet) A natureza lúdica de saltar para cima e para baixo "como um cabrito" reflete um estágio importante no processo de crescimento. O mês de Tevêt, o mês da tribo de Dan, tem relação com o processo de crescimento, de um estado de imaturidade a um estado de maturidade.

A imaturidade é caracterizada pelo "olho mau", ao passo que a maturidade, pelo "olho bom". gedi = 17 = tov, "bom" ("o olho bom"). Deve-se brincar (e saltar como um cabrito) a fim de retificar e suavizar a ira latente na alma animalesca.


 



--
Magal
Visite www.correioregional.com
Select Menu