Coisas Judaicas

Vida Judaica

Notícias Judaicas

Cultura & Arte

Notícas de Israel

Confira também

Comida Judaica

» » » » » O que é ser judeu?

Coisas Judaicas


Mesmo para aqueles que acham que judaísmo é apenas uma religião, o assunto provoca divergências. Não é por acaso que se conta a história do náufrago judeu que, após dez anos desaparecido, é encontrado numa ilha deserta por um navio que por lá passava. 

O capitão encantou-se com as estratégias de sobrevivência dele, que incluíam a construção de uma casa bastante sólida, a confecção de redes de pesca e arpões e, para sua surpresa, duas sinagogas. 

"Duas sinagogas", perguntou o capitão, "para que construir duas sinagogas se você está sozinho na ilha"? "Muito simples", respondeu o náufrago. "Naquela eu rezo todos os sábados. Já na outra eu não entro de jeito nenhum".

Assim são os judeus religiosos: uns, ortodoxos, outros conservadores, os terceiros liberais e ainda os reformistas, alem de várias outras denominações. A convivência nem sempre é pacífica, mas a ausência de um poder central e de uma função sagrada para os rabinos (diferente dos padres católicos, rabinos não falam em nome de Deus, não dão sacramentos, e qualquer ato religioso judaico pode ser realizado sem a sua presença) faz com que as diferentes comunidades contratem diferentes tipos de rabino. Há, inclusive, rabinos gays e "rabinas". Seu papel mais importante é adaptar leis milenares às práticas de cada grupo. 

É por isso que uma comunidade tão pequena como a brasileira - menos de 0,1% da população do país - tem tantas sinagogas, organizações e porta-vozes. É muito cacique para pouco índio.

Mas limitar o judaísmo à identidade religiosa não responde todas as situações. É possível dizer que Philip Roth não seja um escritor judeu, que Woody Alen não é um cineasta judeu, que Marc Chagall não foi um pintor judeu, que Sigmund Freud não tenha sido judeu? 

O judaísmo está muito presente nas obras de todos esses gênios. Uma parcela significativa da juventude israelense, como protesto pela inexistência do casamento civil no Estado de Israel, recusa-se a se casar na sinagoga e viaja até Chipre para oficializar sua união. Seriam esses jovens não judeus?

Não há uma única forma de identificar os judeus. Eles não permaneceram identificados como tais apesar da História, mas por causa da História. Não fossem necessários, teriam desaparecido como povo. O grande segredo da sua permanência é que não permaneceram, mudaram. 

Nada mais distante de um judeu do gueto do que um outro que transcenda a idéia da nação. Quando, depois de muitos séculos, os judeus obteveram sua emancipação como cidadãos – isso tudo só após a Revolução Francesa – muitos saíram da cidadezinha para o mundo, tocando música, escrevendo, pintando, marcando, enfim, sua presença no mundo a partir do início do século XX.

Isso, contudo, só ocorre para uma pequena fração de judeus. A maioria continuava nas aldeias e nos bairros pobres das cidades da Europa Oriental. E é nesses ambientes que surge o nacionalismo judaico. Deve-se localizar as raízes da identidade nacional judaica no século XIX, na Europa Centro Oriental e atribuí-la a três fatores complementares: o esgotamento das formas de existência judaica nas aldeias (shtetl) e nos guetos das cidades da Polônia e região; a "primavera das nações", então em curso, que se apresentava como panacéia universal, remédio destinado a superar pobreza e perseguições (não foi, como sabemos); o profundo sentimento de identidade cultural.

A tese é de fácil demonstração. O próprio criador do assim chamado "sionismo político" Theodor Herzl, era um jornalista austríaco bastante incorporado à sociedade não judaica. Seu "retorno" ao judaísmo se deu após ele ter sido designado por seu jornal para cobrir o julgamento do Capitão Dreyfuss, em Paris, quando anti-semitas franceses acusaram o militar judeu de traição. 

A França se dividiu e proporcionou importantes manifestações anti-judaicas. Herzl concluiu que, enquanto os judeus não tivessem uma nação própria, eles não teriam dignidade e estariam sujeitos a todo tipo de perseguições. Escreveu um livro "O Estado Judeu" que teve grande impacto, mas não foi unanimidade entre os judeus. 

Uns porque esperavam a manifestação do Messias, que era a quem, segundo eles, caberia determinar o "retorno" à Terra Santa; outros porque se sentiam apenas ingleses ou franceses de fé "mosaica" e não queriam ser percebidos como alguém com dupla lealdade (ainda não estávamos em nosso atual estágio de várias identidades nacionais sobrepostas e aceitas); outros ainda porque apostavam na solidariedade entre os oprimidos de todos os países e crenças, algo que só poderia ocorrer por ocasião de uma revolução socialista de caráter internacional, e não "por meio de soluções parciais e nacionais".

Embora a colonização moderna da Palestina pelos judeus tenha se iniciado no final do século XIX e tenha ganhado força no início do XX, com a fundação das primeiras colônias coletivas de caráter comunista (kibutz) e cooperativas de trabalhadores rurais (moshav), ela não era ainda muito significativa em termos quantitativos até a década de 1930. 

A ascensão de Hitler ao poder, a "solução final", concebida e executada pelos nazistas (com o assassinato sistemático da maioria da população judaica européia) fez com que grande parte dos judeus não percebessem outra solução que não a "reconstrução" de um estado que pudesse funcionar como refúgio a todos os judeus do mundo que se sentissem perseguidos. Essa é a história de Israel.

Isso faz com que todos os judeus sejam israelenses e que todos os israelenses sejam judeus? Claro que não. Em Israel existe um importante número de israelenses árabes, muçulmanos ou cristãos. E bem menos da metade da população judaica do mundo vivem lá – qualquer que seja o critério que utilizemos para definir esta identidade.

Há, sempre, quem olhe o judeu de forma preconceituosa, francamente negativa ou falsamente positiva, mas nem por isso menos discriminatória. Há quem diga que existe um judaísmo gastronômico, outro ufanista (esgrimindo com violinistas, escritores e cientistas judeus que ganharam o prêmio Nobel). 

Há mesmo quem ainda acredite que os judeus sejam o povo eleito. Tenho, contudo, a convicção de que sua experiência como discriminados habilitou os judeus a lutar contra qualquer discriminação, e o período da vida na aldeia isolada ou nos guetos desenvolveu em muitos judeus o ódio ao etnocentrismo, ao horizonte limitado.

Há um judaísmo universal e ele pode ser praticado.

Jaime Pinsky, paulista de Sorocaba, é doutor e livre docente em história pela USP e professor titular pela Unicamp, universidades em que trabalhou. É autor e/ou organizador de mais de 20 livros, entre os quais Origens do Nacionalismo Judaico e História da Cidadania. Atualmente é diretor editorial da Editora Contexto.

Jorge Magalhães

Um Blog que fala sobre o judaísmo,cultura e fatos de Israel.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

32 Comentários for O que é ser judeu?

  1. Ser Judeu, é mais do que seguir uma religião. É estar ligado, um ao outro, sempre apoiando. Mais do que rezar, é amar ao proximo, como a sí mesmo. Mais do que simplesmente dizer "sou judeu", é amar a D'us, acima de tudo.

    POR ISSO ME ORGULHO DE DIZER QUE SOU JUDEU!

    ResponderExcluir
  2. Eu quero ser um Judeo ... sou novo ainda e andei pensando em me torna um judeu ...
    me ajudem ...

    hugupsy@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tambem sou yahudi e posso te ajudar! vc pode se tornar judeu, so se aprensentar para um rabino! e eu indico o RABINO Andy Fonseca. shalom uvraha ve naim meod! shimi Miguel Ben-yehuda.

      Excluir
    2. por favor vc poderia me dizer a conversão do rabino andy fonseca pode ser apresentada a uma sinagoga em israel pois pretendo morar lá e frequentar uma sinagoga sera´que vão me aceitar com o certificado pois me disseram que o povo lá não são muito cordial com convertidos do Brasil mas ja adorei vc dizer do rabino andy fonseca poderia me falar mais a respeito dele obrigada

      Excluir
    3. não recomendei o senhor Andy Fonseca.Foi o anônimo aí encima. Ele não é reconhecido pelas Federações do Brasil. as conversões dele, nada valem.

      Excluir
  3. Bem ser judeu hoje em dia eu acho que é o melhor caminho a ser seguido;pois a vida não é nada sem Jesus logo agora que estamos passando tempos muito dificeis em relação ao mundo em si.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. judeu crente em jesus? ta loko é?! bom respeito a fe de cada um, mas se vc ker ser judeu nau akredite em jesus pois tudo o ke falam do jesus historico( pois ele sim! existiu) é falso ele foi um profeta e ele nunca disse que era filho unigenito de D-us!

      Excluir
  4. também quero me converter

    rapha_jgt@hotmail.com quero ter convivio e ter amigos judeus.me adicionem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. naim meod! shimi Miguel BEN-YEHUDA. se vc quiser ser meu amigo to de braços abertos! ani yehudi ve ani ochev achenu!

      Excluir
  5. Bom dia!
    Gostaria de saber o que é preciso fazer para me tornar uma mulher judia.
    Tenho 51 anos, moro em São Paulo na Capital.
    Conheci alguns judeus no passado e achei que eles são pessoas muito atenciosas, caridosas, e que vivem para fazer o bem.
    Meu nome é Lygia P. Losinski.
    lygialosinski@yahoo.com
    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. querida! shalom! ve naim meod! ja que mora na capital! procure pelo rabino Andy fonseca! SHALOM VE AV!

      Excluir
  6. ooi também quero ser judia, sou judia espirutualmente, pois freqüento Uma Sinangoga desde dos meus 8 anos de idade, tenho 15 anos agora, e aprecio muito os judeus da minha sinagoga, como faço pra ser Judia ?
    Entrem em contato comigo POR FAVOR !
    bru_s2love@hotmail.com
    Moro em Jacareí - SP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VC minha linda anjinha ja é judia! pois o D-us (hashem) ja te aceitou e se realmente ker oficializar falem com o seu rabino o um mais proximo de vc possivel shalom ve naim meod yofi.

      Excluir
  7. ser judeu? ora,o que se entende por "ser judeu"? à princípio "judeu" é todo aquele descendente de Abraão,Isaque e JACÓ.agora,espíritualmente falando,judeu são aqueles que com sinceridade PRATICAM o judaísmo;a TORÁ lei dada a Moisés no monte sinai. não sou um judeu,mas eu amo a terra de Israel,assim como SEU DEUS.SHALON ADONAI.

    ResponderExcluir
  8. Olá, também gostaria muito de me converter.
    Preciso muito de sua ajuda.
    Por favor, mantenha contato, obrigado!
    matheus52x@bol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ker realmente? emtão bem vimdo "naim meod" vc espiritualmente ja é um judeu! se vc for sincero é claro! fale com um rabino e não desvaleça. shalom.

      Excluir
  9. holla!
    bom eu sou a Jaine
    ando estudando muito sobre o judaismo
    e quero me converte me indetifiquei
    alguma coisa em meu coração diz para eu me converte!
    porem não tenho amigos judeos!
    prescizo muito da ajuda de voces!

    meu contato:jainenovais@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aki esta o meu Miguelyjapon@hotmail.com ve naim meod ve shalom! fale com algum rabino ele tem autoridade e sobriedade e pode te ajudar!

      Excluir
  10. holla!
    bom me chamo Jaine
    estudei muito sobre o judaismo
    quero me converte
    alguma coisa em meu coração
    diz que devo seguir
    porem não tenho amigos judeus
    me ajudem!

    meu contato:jainenovais@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. Pretender ser judeu é desejar voltar-se para a Torá (Lei de El-Hashem, não de Moisés, como dizem). é Saber fazer a real diferença que existe entre o verdadeiro Mashiah e o Jesus Cristo, o sádico. da Idade média até a moderna, quando um judeu via a crus de Cristo já sabia que com ela vinha a morte e todos os tipos de tortura. É inconsebivel a idéia de alguem que queira ser judeu trazendo consigo a imagen e a doutrina cristã.

    ResponderExcluir
  12. Na minha opinião esse artigo não respondeu a pergunta "O que e ser Judeu?", acho até que ele confunde mais a cabeça das pessoas.
    Outra curiosidade e que tem tanta gente dizendo que estuda o judaismo e convive com judeus, não entendo pq elas vem perguntar aqui como fazer pra ser um judeu.

    Gleidson.

    ResponderExcluir
  13. Olá, Gleidson. Assim é o judaismo. Dois judeus, duas opiniões, risos. O artigo é bom, recomendo que vc o leio novamente, vc vai acabar entendo.
    Obrigado pela visita e comentários

    ResponderExcluir
  14. Olá...
    Gostaria de me tornar uma judia,por isso gostaria de saber se vocês podiam me ajudar.
    nataliabueno.m@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! nos podemos! que hashem te guie e bem vinda ao meu povo! risos.

      Excluir
  15. Já respondi por e-mail.Mazal tov boa sorte

    ResponderExcluir
  16. Shalom

    Não basta dizer que tem nome de familia judia, pois os cartorios no Brasil em outras decadas faziam verdadeiras lambanças no momento do registro, colocando nomes a seu bel prazer, onde até negros escravos ganhavam os sobrenomes de seus "donos", onde padrinhos colocavam seus nomes de familia em seus entiados apadrinhados, onde também a igreja determinava nomes a serem colocado nos cristãos-novos (ou "forçados"), nomes como "Santos, de Jesus, do Nascimento, da Conceição, da Aparecida, da Cruz" tais nomes sim exemplificavam um "forçado" que deveria agora com seu novo nome cristão honrar a divindade católica apostólica romana.

    Defender o "retorno" tal qual ocorreu em Portugal aos brasileiros é tentar igualar situações totalmente diferentes.

    Protestantes que se apaixonaram pelo conceito do "povo eleito de Deus", cuja teologia protestante abraça que os judeus são "salvos", acaba convencendo a fileira de seus membros a abandonar a teologia da fé no jesus cristo ressurreto (pensamento cristão) para compreender a teologia do jesus filho de josé morto (pensamento judaico), pois no entender destes fieis extremistas, o judeu é abençoado por Deus e nunca se perderá, logo a "troca" de status "evangelico" para "anussim ou judeu" é para estes muito vantajosa.

    Mas não são anussim... Não são judeus.

    Os rabinos sabem destes que inventaram tais historias.

    Mantiveram para tais "lideres" as portas fechadas, pois sabem o quanto foi mentido e inventado!

    Isso fica claro quando voce olha a sua volta no mundo judaico e vê as fileiras de pessoas que ainda hoje se convertem, enquanto tais organizações ditas "anussim" continuam apagadas e ignoradas especialmente no pais de origem, pois é facil tentar enganar um rabino que está em outro pais, mas os rabinos que vivem aqui mesmo no Brasil, fica muito dificil enganar.

    A recusa em auxiliar tais lideres demonstra que os rabinos continuam "não dormindo no ponto", pois sabem da realidade de tais evangelicos que buscam "virar judeus" a qualquer custo.

    Isso tudo sem falar nos tais "judeus messianicos" que forjam uma aproximação com o judaismo para na verdade exercer trabalho de evangelismo no meio judaico.

    Esses são os pontos que fecham as portas dos que advogam ser anussim, pois a maioria não é anussim, mas sim pessoas com nomes coincidentemente compartilhado por familias de judeus.

    Tal coincidência existe e é um fato, aliás, basta olhar as listas postadas até na internet... eu lanço o desafio inverso, ou seja, procure um nome que não esteja naquela lista... verá que a maioria dos nomes comuns de familias no Brasil está dentro da lista, então, todo mundo é judeu ? CERTAMENTE QUE NÃO.

    Reintero que o judaismo em sua maioria não é proselitista, mas obedecendo a Torá, todas as linhas judaicas possuem formas de conversão, onde a pessoa interessada pode realmente fazer tal conversão sem maiores problemas.

    No movimento Massorti (liberais) posso indicar a pagina http://www.conversaojudaica.org onde encontrará inumeros artigos que falam a respeito da conversão.

    No Judaismo Progresssista posso indicar a pagina http://www.judaismoprogressista.org/responsa.php?id=20 que esclarece também a respeito da conversão.

    No Judaismo Ortodoxo Moderno posso indicar a pagina http://www.aishbrasil.com.br/new/artigo_conversao.asp que também fala a respeito da conversão.

    No Judaismo Karaim http://www.comjucase.org.br que também fala a respeito da conversão.

    A Morasha conta um pouco a respeito do Judaismo na linha karaim. http://www.morasha.com.br/conteudo/artigos/artigos_view.asp?a=294&p=0

    Leiam todos http://judeus.blogspot.com/2007/01/converso-com-responsabilidade.html

    Abraços.

    ResponderExcluir
  17. bao tarde, acbaei de ler o conteudo da matéria e achei interessante, a algum tempo venho me interessando por essa religiao, já trabalhei como acompanhante de uma sr judia e gostaria de saber como faço para me tornar uma, moro em nova iguçu - rj nunca vi sinagoga por aqui,e se eu encontrar como faço é só entrar e ajudem!!!
    aguardo resposta.
    bianuness@yahoo.com.br ( beatriz)

    ResponderExcluir
  18. olá,meu nome é Tarcisio e eu gostaria de conhecer o judaismo e me converter e tornar um judeu e quero ter amigos judeus moro em São gonçalo, estado do Rio de Janeiro meu contato:tarcisiosmendes@hotmail.com facebook tarcisio mendes

    ResponderExcluir
  19. Olá, gostaria de indormaçoes sobre como me converter. Nao frequento a Sinagoga, mas adoraria pois tenho inumeras pessoas em meu torno que praticam a Torá e sempre que ouço alguns ensinamentos fico encantada. Vcs poderiam me elucidar por e.mail?

    kriattiva@yahoo.com.br
    Muito Obrigada

    ResponderExcluir
  20. O comentário enviado por um anônimo em defesa do senhor Andy Fonseca, nada vale. A referida entidade foi criado pelo próprio. Sem maiores comentários.

    ResponderExcluir
  21. Seria bom dar uma olhada aqui !!!!!
    https://www.scribd.com/doc/249347163/Rabino-Andy-Fonseca

    ResponderExcluir

Select Menu